Caprichoso destina cestas básicas para famílias Sateré-Mawé
27 de outubro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Caprichoso destina cestas básicas para famílias Sateré-Mawé

Nesta semana, o Boi Caprichoso dará continuidade ao cronograma de doações, dessa vez com a entrega de insumos aos hospitais de Parintins

Caprichoso destina cestas básicas para famílias Sateré-Mawé
Foto: Divulgação

Na vanguarda da luta pelos povos tradicionais, o Boi-Bumbá Caprichoso iniciou, na década de 80, a inserção de toadas de inspiração indígena no espetáculo azul e branco.

Os sons ritualísticos e as cerimônias indígenas, com movimentos de tribos coreografadas também foram incorporadas, a partir da década de 90, de modo a recriar o cotidiano nativo dentro do Bumbódromo. Foi o início de uma transformação no Festival de Parintins.

Hoje, no cenário provocado pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a bandeira de luta ultrapassa os limites do Bumbódromo.

Neste sábado, 6, o presidente Jender Lobato autorizou a doação de cestas básicas para famílias indígenas Sateré-Mawé, que residem na área urbana de Parintins, como resultado da “Festa do Povo Caprichoso” realizada no dia 1º de maio de maneira virtual.

A entrega dos alimentos acompanha um cronograma organizado pela Diretoria e Conselho de Arte. Com isso, já foi possível encaminhar ajuda a todos os segmentos do bumbá, auxiliando artistas, músicos, e demais colaboradores.

Os mantimentos destinados ao povo sateré-mawé foram repassados ao líder do clã Sateré – Ut e membro da rede solidária dos povos indígenas, Josias Sateré, na sede da Escolinha de Arte Irmão Miguel de Pascale.

O presidente do Conselho de Arte, Ericky Nakanome, lembra que no mês mais festivo do ano, as celebrações de junho cederam espaço à solidariedade.

“É justo auxiliar pessoas de todos os setores da administração. Nós, com muito orgulho, estamos ajudando uma comunidade indígena, nossa grande raiz cultural, tão evidenciada na arena do Bumbódromo, e que clama por ações concretas no cotidiano”, afirma.

Josias Sateré explica que as mais de duzentas famílias sateré-mawé que vivem em área urbana relatam dificuldades de sobrevivência, incluindo ter que conviver com a fome.

“Ao compreender o momento difícil e tomar a iniciativa de ajudar nossos irmãos, o Boi Caprichoso mostra a sua cara humana. Em nome de cada um deles, fica o meu agradecimento e o sentimento de orgulho”, relata.

O presidente do Boi Caprichoso, Jender Lobato, enaltece o papel fundamental do torcedor, que além de acompanhar o evento pela internet, ajudou com a doação dos alimentos.

“Nossa live foi um sucesso em solidariedade e graças às colaborações, o Caprichoso cumpre uma etapa importante nesse processo solidário, dessa vez ao exercer seu papel social junto ao povo sateré-mawé, comunidade que contribui conosco todos anos no festival e que merece esse retorno, principalmente neste momento de dificuldades”, enfatiza.

Nesta semana, o Boi Caprichoso dará continuidade ao cronograma de doações, dessa vez com a entrega de insumos aos hospitais de Parintins (Padre Colombo e Jofre Cohen). Ao todo, são dez mil pares de luvas, máscaras de proteção individual e cestas básicas destinadas às unidades de saúde.

 

(*) Com informações da Assessoria de Comunicação

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading