US - R$ 3,76

×

Mercado imobiliário prevê crescimento de mais de 30%

Os resultados do primeiro trimestre deverão ser divulgados no final do mês. As empreiteiras possuem diferentes modalidades de compras de imóveis

Em 2019, o setor imobiliário prevê um crescimento de 32%, esperando  fechar o ano com R$ 800 milhões. As informações são da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário do Amazonas (Ademi-AM). Eles se baseiam no resultado do 4º trimestre do ano passado onde houve acréscimo de 48% sobre a média dos três trimestres anteriores.

A confirmação se o setor estará no caminho para cumprir essa expectativa só virá no dia 30 de abril quando divulgarem os dados sobre a reação do mercado nesse primeiro trimestre.

Mercado Imobiliário prevê crescimento em Manaus,  (Ilustrativa)

“As expectativas para este ano são boas, acreditamos que com o cenário econômico atual as condições para crescimento aumentam e consequentemente acaba melhorando para quem pretende comprar também. Começamos este ano com mudanças: a nova Lei do Distrato, transição de governo, mudanças no código diretor de Manaus, Ademi ganhou uma cadeira no CMDU, o mercado imobiliário está em diálogo aberto com parlamentares. Então, acreditamos sim em uma retomada do mercado”, explica o presidente da Ademi, Albano Maximo.

Dados 2018

Segundo a Ademi, no ano de 2018 foram lançados seis empreendimentos que representaram 2.140 unidades todas do padrão econômico. No mesmo período, em 2017, apenas um lançamento vertical residencial do mesmo padrão.

No 4º trimestre o bairro com a maior VSO (venda sobre oferta) de unidades residenciais foi o Lírio do Vale com 86,7%. Devido ao saldo final com vendas negativas, o bairro com menor VSO líquido foi o Tarumã-Açu com – 2,9%.

Estoque de imóveis

A quantidade alto de estoque de imóveis no Amazonas preocupava o setor. Por isso, o lançamento de novos empreendimentos prejudicou o setor e com isso, também amargou preços abaixo do mercado.

Em 2017, o Amazonas fechou o ano com um estoque de 4,401 imóveis. Já em 2018 foram 2.140 novas unidades. Somadas são 6.540 unidades que estariam em estoque. No final de 2018, o mercado apresenta um estoque 4.096, ou seja, uma redução de 10% dos imóveis em estoque.

Imóveis no exterior

De acordo com a pesquisa Capitais Brasileiros no Exterior (CBE), organizada e divulgado pelo Banco Central, entre os anos de 2007 e 2017, o investimento feito por brasileiros em imóveis deu um salto de 240% saltando de US$ 1,8 bilhão para US$ 6,3 bilhões nesse período de 10 anos. 

Segundo o estudo, desse total de investimento, 33% – o equivalente a US$ 2,1 bilhões – foram realizados nos Estados Unidos, que ainda é o país mais procurado para fazer esse tipo de aporte, com destaque para a cidade de Orlando, indicada por várias pesquisas como a número 1 dos Estados Unidos para se investir no mercado imobiliário. Em 2017, o preço das casas na cidade saltou 9%. A expansão estimada para os próximos 3 anos é de 35%.

Construção Civil também têm expectativas para 2019 

Para o presidente do Sindicato das Indústrias da Construção Civil de Manaus (Sinduscon), Frank do Carmo, 2019 será um ano otimista para a área.  Para ele, existe uma necessidade do mercado ter novos lançamentos devido a anos anteriores sem muitos lançamentos e venda de produtos em estoque sem reposição, além do alto índice de déficit habitacional.

“Estamos em um ciclo de baixa em fevereiro e março , período de tentativa de aprovação da Reforma da Previdência , acreditamos em um segundo semestre melhor. Este ano já tivemos um lançamento de produto econômico. A construção civil é o melhor segmento para geração de emprego e renda , acredito que assim que destravar algumas amarras como a unificação dos ministérios do extinto Ministério das Cidades com o MDR e o alinhamento dos orçamentos para moradia no novo governo , com maior oferta de crédito ao setor, devemos ter mais lançamentos no mercado imobiliário”, explica Carmo. 

Além disso, o setor também espera que as obras públicas já previstas devam alimentar o mercado. De acordo com ele, o novo governo do estado deve focar mais na execução de obras. Já o município também deverá fazer algumas obras viárias em Manaus. 

 

Faça um comentário