Mulher mandou matar vizinho por entrar 35 cm no terreno dela

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

4 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Mulher mandou matar vizinho por entrar 35 cm no terreno dela

A ré Maria do Socorro Cavalcante Alencar mandou matar o seu vizinho, Raimundo da Silva, porque este teria invadido cerca de 35 cm de seu terreno

Mulher mandou matar vizinho por entrar 35 cm no terreno dela
(Foto: Divulgação)

O juiz Paulo José Benevides dos Santos, da 2ª Vara de Maués, acolheu pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM) e remeteu a julgamento pelo Tribunal do Júri Popular um caso de homicídio triplamente qualificado, associação criminosa armada e lavagem de dinheiro.

Consta da denúncia ajuizada pelo MPAM que a ré, Maria do Socorro Cavalcante Alencar, mandou matar o seu vizinho, Raimundo Charles Gonzaga da Silva, porque ele teria invadido cerca de 35 cm de seu terreno, o que configura motivo fútil do crime de homicídio.

Insatisfeita com a situação, ela encomendou a morte de seu vizinho a dois irmãos, os réus Alberte da Silva Serrafe e Kleberte da Silva Serrafe, pelo valor de R$ 4.000,00, atraindo a qualificadora do motivo torpe pela promessa de recompensa.

Para receber o valor acordado como pagamento pelo assassinato, os irmãos indicaram a conta-corrente de Simara Amazonas Monteiro, esposa de um deles, para que a mandante, Maria do Socorro Cavalcante Alencar, efetuasse depósitos sem levantar suspeitas, consumando o delito de lavagem de dinheiro.

No dia 25 de setembro de 2017, a dupla foi à casa da vítima dizendo ter interesse em contratar a construção de uma laje, já que Raimundo Charles Gonzaga da Silva trabalhava como empreiteiro.

Em dado momento, enquanto a vítima conversava com um dos irmãos, aproveitando-se de sua distração, o outro desferiu um golpe de arma branca no tórax, o que configurou a qualificadora da emboscada.

As rés Maria do Socorro Cavalcante Alencar e Simara Amazonas Monteiro também foram pronunciadas por homicídio triplamente qualificado, já que participaram ativamente dos crimes, além de todos eles também terem sido pronunciados pelo crime de associação criminosa armada.

A investigação foi presidida pelo delegado de Polícia Rafael D’Agostini Smith, que se valeu de técnicas investigativas complexas, como interceptações telefônicas e quebras de sigilo bancário dos investigados, o que reforçou o inquérito.

O promotor de Justiça Flávio Mota Morais Silveira atuou na fase da denúncia, enquanto que o Promotor Timóteo Agabo Pacheco de Almeida atuou na instrução probatória e na fase das alegações finais do processo, sendo que o magistrado acolheu integralmente os pedidos constantes da denúncia.

Caso o Conselho de Sentença acolha a tese do Ministério Público, as penas podem chegar a mais de 30 anos de reclusão, bem como os réus serem condenados a pagar R$ 100.000,00 a título de reparação dos danos causados pela infração.

O réu Alberte da Silva Serrafe segue foragido, uma vez que fugiu da Unidade Prisional de Maués, enquanto que Kleberte da Silva Serrafe encontra-se preso preventivamente.

A mandante do crime maria do socorro Cavalcante Alencar e a partícipe Simara Amazonas Monteiro respondem ao processo em liberdade.

(*) Com informações da assessoria 

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias