×

Policiais se dizem enganados por Amazonino e convocam reunião


Depois de ameaçarem parar as atividades e serem chamados pelo governador Amazonino Mendes (PDT) para conversar, policiais militares convocaram uma reunião, na tarde desta segunda-feira, 12, para definir a data da paralisação – a data estava marcada para o dia 13. Para os PMs, o governador quis apenas ganhar tempo.

Governador Amazonino sob pressão

Amazonino se reuniu com PMs na semana passada (Foto: Reprodução/Facebook)

“Ele deu barrigada, na expressão que a gente usa”, disse o presidente da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), Gerson Feitosa. “O governo não resolveu nada”, disse.

Mais cedo, foi divulgada uma nota conjunta da Apeam, Associação de Cabos e Soldados e Associações de Subtenentes, em que afirmava que a luta da categoria é pela defesa da lei de reestruturação da carreira de policial militar, a lei 4.044 de 2014.

O texto denuncia as condições precárias em que trabalham os PMs e os bombeiros, “com viaturas em péssimas condições de uso, pouco combustível, munição e coletes vencidos”.

Leia também

Em protesto, policiais cobram de Amazonino promoções e 30% de reajuste

Reunião com governador

No último dia 8, representantes das três associações participaram de uma reunião com o governador do Estado.

Segundo informações publicadas pela Secretaria de Estado de Comunicação (Secom), o governador estabeleceu um canal de diálogo com os representantes dos soldados, cabos, sargentos e subtenentes, e “ressaltou que vai corrigir as injustiças as quais os praças foram submetidos nos últimos anos”.

Ficou acertada uma reunião da Comissão de Promoção dos Praças (CPP), que havia sido adiada a pedido do próprio Amazonino.

A reunião ocorreu nesta segunda, mas, segundo Gerson Feitosa, as promoções ficaram aquém do que deveriam ser feitas. “Cumprimos com nossa parte, mas reiteramos que nada foi resolvido”, disse.

 

Comentários
Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.