Prefeitura de Manacapuru deve manter contratos de professores, diz MPE

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

14 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Prefeitura de Manacapuru deve manter contratos de professores, diz MPE

Além disso, o MP determinou a apresentação do cronograma de pagamentos dos salários vencidos e não pagos dos professores temporários

Prefeitura de Manacapuru deve manter contratos de professores, diz MPE

A Prefeitura de Manacapuru (a 70 quilômetros de Manaus) tem o prazo de 72 horas para adotar uma série de medidas recomendadas pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM).

As recomendações têm relação à dispensa e pagamento dos professores temporários da rede municipal, durante pandemia do novo coronavírus.

A informação foi publicada no Diário Oficial do órgão, na quinta-feira, 28.

Para expedir o documento, a promotora de Justiça, Sarah Clarissa Cruz Leão, considerou a suspensão dos pagamentos dos profissionais, a partir de abril, sob argumento da suspensão das aulas presenciais, por conta da pandemia.

A Secretaria Municipal de Educação de Manacapuru alega que a situação, ocasionaria a ausência de controle da jornada dos professores, um pré-requisito para a remuneração de servidores com contrato por tempo.

No entanto, a promotora também considerou que a suspensão das aulas presenciais não deve necessariamente implicar a rescisão dos contratos temporários dos professores, apesar da possibilidade legal de rescisão por conveniência administrativa.

Outro ponto lembrado por ela, é por se “tratar de uma situação emergencial imprevisível de alcance mundial”, não sendo “razoável e nem juridicamente oportuno dispensar tais profissionais antes do término de vigência dos seus contratos”, uma vez que, os alunos ficariam sem aulas no retorno pós-pandemia com necessidade de novo processo seletivo, “o que demandaria tempo e novo dispêndio de recursos públicos”.

A representante do MP considerou, ainda, a possibilidade de adoção de medidas alternativas, tendo em vista que os servidores não são responsáveis pela situação e não há notícias de recusa na prestação dos serviços.

“Por fim, que dada a excepcionalidade da atual situação e a função social da Administração Pública e do trabalho, além da incidência de princípios como o da solidariedade, da dignidade da pessoa humana e do interesse público, é recomendável que não rescinda os contratos temporários de professores e nem se aplique descontos na sua remuneração, em decorrência da suspensão das
aulas”, diz o órgão.

Diante das alegações, tanto a Prefeitura quanto a Secretaria Municipal de Educação, devem disponibilizar a listagem dos professores com contrato por tempo determinado, cujo pagamento dos salários esteja pendente, bem como o encaminhamento da lista para a 2ª Promotoria de Justiça da cidade e ao Sindicato dos Profissionais da Educação do Município de Manacapuru (Sinducam).

Além disso, o MP determinou a apresentação do cronograma de pagamentos dos salários vencidos e não pagos dos professores temporários.

“O não atendimento a presente recomendação poderá importar a adoção das medidas judiciais cabíveis, para os fins de garantir o respeito aos princípios constitucionais aplicáveis.”, finalizou.

Confira documento na íntegra 

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias