MENU
logo-amazonasum

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Apesar de fechar hospital na pandemia, Arthur segue criticando negacionistas

Arthur Neto critica, de forma velada, ações do governo federal no combate a Covid-19, mesmo tendo fechado hospital de campanha na pandemia
Edilânea Souza – Portal AM1
• Publicado em 31 de maio de 2021 – 16:03

MANAUS, AM – Postulante à vaga de presidente da República, em 2022, o ex-prefeito de Manaus Arthur Neto (PSDB) criticou, em suas rede sociais, os “negacionistas” da covid-19,  citando um estudo realizado pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, em São Paulo, que comprovou a redução de mortes após vacinação em massa dos habitantes da cidade.

“O estudo realizado em Serrana (SP) constatou o óbvio, pelo menos para nós, os não negacionistas: com 75% da população vacinada, a pandemia de Covid-19 pode ser controlada. Uma notícia de esperança, alentadora, e que mostra a urgência de avançarmos na vacinação”, escreveu ele.

A fala do ex-prefeito foi feita em suas redes sociais nesta segunda-feira (31) e ele voltou a dizer que é necessário ter vacina contra a doença para todos os brasileiros. “Volto a repetir: precisamos de vacina para todos os brasileiros e brasileiras e sem mais demoras. Definitivamente, esse é o único caminho para controlarmos a pandemia e fazermos a economia voltar a prosperar. Viva a ciência!”, escreveu Arthur no Twitter.

No estudo, os pesquisadores do Butantan mediram os efeitos da imunização com a Coronavac na cidade que tinha um alto índice de contágio. Após o fim da vacinação em massa dos 45 mil habitantes, o número de mortes caiu em 95%.

Leia mais: Vereadores reclamam dos secretários de David Almeida: ‘cerca de jurebeba’

Embora Arthur Neto critique os atos de quem ele mesmo chama de “negacionistas”, ele, enquanto prefeito de Manaus, chegou a fechar o hospital de campanha que atendia vítimas do vírus, em Manaus, ainda na primeira onda. Com isso, milhares de manauaras ficaram sem atendimento e leitos clínicos e de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) na segunda onda, que iniciou em dezembro do ano passado, quando Arthur ainda era prefeito na cidade.

Na ocasião, muitos casos de Covid foram confirmados e muitas mortes ocorreram por falta de leitos nos demais prontos-socorros da cidade, o que poderia ter sido evitado, caso o hospital de campanha ainda estivesse ativado.

Arthur Neto

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap