US - R$ 3,86

×

Caminhoneiros avaliam paralisação após decisão de ministro do STF

Líderes da categoria cogitaram a possibilidade de greve logo após o ministro Luiz Fux do STF, suspender a aplicação de multas na tabela do frete


Após a decisão do ministro Luiz Fux do STF (Supremo Tribunal Federal), que na quinta-feira, 6, suspendeu a aplicação de multas contra empresas que não cumprirem a tabela do frete, grupos de caminhoneiros voltaram a ficar agitados com a discussão de uma possível nova paralisação.

Um dos líderes do movimento ocorrido em maio, Wallace Landim, o ‘Chorão’, disse à reportagem que uma paralisação não está descartada, mas que só vai se posicionar sobre o assunto após conversar com a AGU (Advocacia-Geral da União). Ele tentará se encontrar com a advogada-geral da União, Grace Mendonça, ainda nesta sexta, 7. O encontro, porém, não está confirmado.

Grupos de caminhoneiros voltaram a ficar agitados com a discussão de uma possível nova paralisação – (Foto: Divulgação)

“Eu só vou me posicionar depois que eu conversar com o pessoal da AGU. Mas não está descartado, não. Se precisar, a partir da próxima semana, a gente já está se articulando”, disse Chorão.

Por grupos de redes sociais, já corre uma convocação para mobilização na madrugada de domingo, 9. O diretor do Sindicam de Ourinhos (Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo), Ariovaldo de Almeida Junior, pede que os caminhoneiros reflitam sobre uma paralisação de 24 horas.

“Gostaria de conversar com todos vocês para que a categoria dê uma resposta imediata a toda e qualquer ameaça aos nossos direitos, lutas e conquistas. Esse tipo de atitude não só nos prejudica, como coloca em cheque o próprio piso mínimo, como coloca em cheque a nossa dignidade, o nosso orgulho e tudo aquilo que fizemos”, escreveu.

A decisão de Fux impede que as empresas que não pagarem o valor mínimo estabelecido pela ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para o transporte de mercadorias por caminhões sejam multadas.

Fux atendeu a um pleito da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) para analisar com urgência um pedido de medida cautelar que visava suspender a tabela do frete. A CNA alegou que a ANTT editou uma nova resolução em novembro com mais penalidades.

O ministro é relator de uma série de ADIs (ações diretas de inconstitucionalidade) que contestam no Supremo o tabelamento. O magistrado destacou, na decisão, informações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que afirmam que o tabelamento gerou ‘entraves e prejuízos’.

A medida provisória editada pelo governo de Michel Temer em maio que instituiu a tabela do frete foi aprovada pelo Congresso em julho e sancionada pelo presidente em agosto.

 

*Com informações da Folhapress

Faça um comentário