US - R$ 3,78

×

SBT revive slogan da ditadura ‘Brasil, ame-o ou deixe-o’ e causa polêmica

A frase foi exibida numa vinheta de tom nacionalista durante a programação da emissora, mas repercussão negativa logo foi tirada do ar


O SBT passou a exibir nesta terça, 6, uma série de vinhetas de tons nacionalistas durante a sua programação. Entre elas, uma exibe o hino nacional enquanto é exibido o slogan do regime militar “Brasil, ame-o ou deixe-o”.
Com a repercussão negativa e uma onda de críticas na internet, essa mensagem específica foi tirada do ar.
A frase ficou marcada como parte da propaganda estatal do governo de Emílio Garrastazu Médici, que governou o país de 1969 a 1974, na época do chamado Milagre Econômico.

(Foto: Reprodução)

De acordo com a assessoria de imprensa do SBT, a escolha do slogan foi um equívoco da emissora. Eles não teriam notado que a frase era um bordão de uma das épocas mais repressivas da ditadura.
A empresa de Silvio Santos afirma que não há qualquer conotação política nos vídeos nem relação com a eleição de Jair Bolsonaro à Presidência. O capitão reformado foi eleito há menos de um mês, no último dia 28 de outubro. Segundo o SBT, a intenção foi exibir uma mensagem de unificação e de incentivo aos brasileiros.
Há pelo menos mais quatro vinhetas ainda em exibição. Em todas, a imagem mostra a bandeira do Brasil e pontos turísticos famosos do país, entre eles o Cristo Redentor, o Masp, a avenida Paulista, as cataratas do Iguaçu (PR) e igrejas coloniais.
O que muda é a música e a frase exibida. Na chamada em que é tocado o hino à bandeira, o slogan é “Brasil, terra adorada”. O hino da Independência exibe “Brasil, pátria amada”. Até o hino da marinha foi escolhido, com o slogan “Brasil de encantos mil”.
A música “Pra Frente, Brasil”, que ficou famosa na Copa de 1970, durante a ditadura, também é utilizada com a frase homônima da canção.
As vinhetas são exibidas desde o final da manhã. A mudança no conteúdo das chamadas e na identidade visual foram produzidos pela própria emissora.

 

Com informações da Folhapress*

Faça um comentário