Parlamentares do AM dizem que Bolsonaro foi irresponsável ao atacar ações contra o coronavírus
A + A -

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

28 de maio de 2020
Site auditado pelo

Redes Sociais

[email protected]

Parlamentares do AM dizem que Bolsonaro foi irresponsável

Parlamentares disseram que o momento é de preservação severa e que consideram a posição do presidente de extrema irresponsabilidade.

Parlamentares do AM dizem que Bolsonaro foi irresponsável
Bolsonaro cumprimentando apoiadores durante manifestação (Reprodução/Facebook)

Após o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) ter criticado a imprensa, repreendido governadores e ter chamado de “histeria” as medidas adotadas em combate ao novo coronavírus, durante pronunciamento nacional, na noite de terça-feira, 24, parlamentares do Amazonas disseram que o momento é de preservação severa e que consideram a posição do presidente irresponsável.

“Essa fala do presidente da República mostra total irresponsabilidade de alguém que deveria estar comandando o país nesse momento tão difícil. Questionar as medidas que as autoridades da saúde estão tomando e orientando a população, põe em risco a vida de milhares de brasileiros”, criticou o deputado federal José Ricardo (PT).

Para o petista, o país precisa de prevenção na saúde e medidas que garantam emprego e renda, principalmente para os mais pobres.

“Uma renda mínima para os trabalhadores na informalidade; seguro desemprego para quem for perder devido à pandemia. Já dei entrada em projetos na Câmara Federal para amparar os trabalhadores. Lembrar que o coronavírus está avançando no Amazonas e já tivemos a primeira morte. O assunto é sério, não é brincadeira”, disse.

Marcelo Ramos (PL) disse ser angustiante ver o presidente Bolsonaro contradizer as orientações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o que acaba confundindo a população.

“Quando mais precisamos de um líder que una o país, mais ouvimos um presidente que luta contra inimigos imaginários. O povo preocupado em salvar as pessoas e o presidente preocupado em acirrar disputas políticas. Além disso, é angustiante o presidente contraditando o ministro Mandetta, o que confunde a população num momento que precisamos de segurança”, lamentou Marcelo Ramos.

O senador Eduardo Braga (MDB) compartilhou em suas redes sociais a manifestação do presidente do Senado, David Alcolumbre (DEM-AP), que disse considerar grave o posicionamento do presidente de ataque à imprensa e  às medidas contra a covid-19, “Assino embaixo”, afirmou Braga.

 

“Não está à altura do cargo”

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não está à altura do cargo.

“Acho que Bolsonaro é um irresponsável que não está à altura do cargo que exerce. No momento em que é preciso seguir a orientação sanitária partida dos cientistas, médicos, partida, inclusive, do seu próprio ministro da Saúde, que é um homem competente e preparado. Não entendo como ele não entregou o cargo. Talvez pelo seu alto espírito de brasilidade. Se o ministro deixasse o cargo, talvez fosse colocado um maluco igual ao presidente e tudo ficaria pior”, disse Serafim.

 

Momento de preservação

 

O presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, deputado Josué Neto (sem partido), afirmou que o momento não é de histeria, mas de preservação severa.

“Quanto mais cedo promovermos o isolamento social, mais cedo voltamos ao normal e a economia volta a crescer”, defendeu Josué.

 

Para a líder do governo Wilson Lima, deputada Joana Darc (PL), o posicionamento do presidente sobre o coronavírus foi incoerente, contrariando todos os pesquisadores e especialistas em saúde pública.

“Temos exemplos trágicos de países que não combateram o vírus desde o início, como a Itália, e que hoje sofre com a disseminação da doença e muitas mortes, principalmente daqueles com mais de 60 anos. Acredito que os governadores e prefeitos estejam trabalhando da melhor forma para combater a pandemia e neste momento, a melhor solução, é sim ficar em casa”, disse Joana.

“Por mais que as consequências, principalmente econômicas, sejam alarmantes, o mais importante é a saúde do nosso povo. É preciso conter agora, para que não piore depois. A prioridade do presidente deve ser a saúde dos brasileiros e não as polêmicas que permeiam sua vida pessoal e política, concluiu a deputada.

 

Panos quentes

O deputado federal delegado Pablo (PSL), da base de apoio de Bolsonaro, não comentou diretamente o pronunciamento do presidente e preferiu um tom conciliador.

“Em época de emergência de saúde do coronavírus, sou extremamente preocupado com os empregos atingidos, com as empresas impactadas e com a economia brasileira que será afetada. Medidas efetivas dos governantes devem ser implementadas em favor dos trabalhadores e dos empregadores, pois esse é o papel do Governo em tempo de dificuldades”, comentou. 

“No entanto, a vida deve estar no foco central e não posso minimizar os riscos de uma doença que atingiu o mundo todo”, ressaltou.

“Ações de atenção à saúde e de socorro à economia devem estar de mãos dadas, pelo bem de todos, hoje e depois que for debelada a pandemia”, finalizou o deputado.

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias