Senado oficializa abertura da CPI das ONGs na Amazônia

US - R$ 4,16

×

Senado oficializa abertura da CPI das ONGs na Amazônia

Com previsão para iniciar em fevereiro de 2020, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ainda não tem roteiro geográfico e nem diretrizes de depoimentos.

Senador Plínio Valério, autor da proposta de CPI, prometeu não demonizar o papel das ONGs. (Foto: reprodução da Internet)

O Senado oficializou, nesta quarta-feira (4), a abertura da Comissão CPI para investigar as organizações não governamentais (ONGs) com atuação na Amazônia. A informação é do autor da proposta, senador Plínio Valério (PSDB), que prometeu não demonizar o papel das entidades que auxiliam o poder público na preservação da floresta e com trabalhos sociais voltados a comunidades tradicionais.

Com previsão para iniciar em fevereiro de 2020, a CPI ainda não tem roteiro geográfico e nem diretrizes de depoimentos, como informou nesta semana, Plínio ao programa ‘DIÁRIO DA MANHÃ’, da RÁDIO DIÁRIO. O debate sobre a criação da CPI surgiu em meio a denúncias, sem provas, do presidente Jair Bolsonaro a ONGs internacionais, como o Greenpeace e WWF Brasil, este ano: em agosto, as entidades foram acusadas de aumentarem as queimadas nas florestas, e depois, responsabilizadas pelo vazamento de óleo no litoral nordestino. Apesar das investigações apontarem para outros suspeitos, o requerimento da comissão foi assinado pela ampla maioria dos senadores.

‘Loteamento’ de terras

Perguntado sobre a motivação da CPI na RÁDIO DIÁRIO, Plínio não citou Bolsonaro e a justificou com o recebimento de denúncias contra entidades que estão, segundo ele, comprando terras no interior do Amazonas.

De WWF a Di Caprio

Depois de acusar o Greenpeace de vazar óleo nas praias do Nordeste, o presidente Bolsonaro disse que o ator americano e ambientalista Leonardo Di Caprio de financiar a WWF Brasil para as queimadas. O ator negou.

‘Joio do trigo’

Sem uma manifestação oficial sobre a CPI das ONGs, o governador Wilson Lima (PSC) disse, no mês passado, que é “preciso separar o joio do trigo”, e falou que há ONGs que “fazem serviços significativos”.

 

*Com a colaboração de Álisson Castro

 

(*) Publicada, simultaneamente, na Coluna Claro&Escuro do jornal Diário do Amazonas.

Faça um comentário