MENU
logo-amazonasum

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

CPI quer antecipar novo depoimento de Queiroga sobre 3ª onda

Possibilidade de novo agravamento da pandemia e postura de Bolsonaro levam grupo a mudar estratégia inicial; convocação do presidente está descartada
Da redação – Portal AM1
• Publicado em 30 de maio de 2021 – 16:46
Foto: Jefferson Rudy / Agência Senado

Rio de Janeiro/RJ —  Apelidado de ‘G7’, o grupo de senadores independentes e de oposição que integram a CPI da Covid decidiu, em reunião neste domingo, antecipar a reconvocação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Inicialmente, o plano era ouvi-lo apenas após a comissão obter mais informações que municiassem a nova oitiva, mas a possibilidade de uma terceira onda de infecções e recorrentes participações do presidente Jair Boslonaro em atos com aglomeração mudaram o planejamento.

“Como Bolsonaro aglomera, e o governo não apresenta novidade no combate à pandemia, para evitar a terceira onda, decidimos antecipar o novo depoimento do Queiroga para o mês de junho, em vez de esperar um pouco mais”, disse ao Globo o senador Humberto Costa (PT-PE), afirmando que o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), ficou de definir a data exata.

A medida é endossada por Otto Alencar (PSD-BA).

“Queiroga é contra as aglomerações, mas o presidente aglomera todo fim de semana, inclusive em encontro de motos neste fim de semana. O presidente não usa máscara, tem postura negacionista em relação às vacinas. Penso que Queiroga está na mesma situação dos ex-ministros Teich e Mandetta, que queriam uma coisa, mas o presidente fazia outra”, disse.

Queiroga chegou a depor à CPI em maio, mas suas respostas foram consideradas evazivas por parte dos integrantes da comissão.

A convocação de Bolsonaro, que chegou a ser pleiteada pelo vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), está praticamente descartada. Mesmo senadores de oposição como o petista Humberto Costa afirmam que não há base legal para que a comissão convoque o presidente da República.

Sobre a atuação da CPI na investigação de irregularidades cometidas por governadores, o presidente da comissão, Omar Aziz, afirmou na reunião deste domingo que pretende aguardar a posição do Supremo Tribunal Federal (STF) para saber até que ponto a CPI poderá aprofundar esse tipo de apuração.

A posição de aguardar o Supremo foi aceita como consenso pelo “G7”. Por ora, contudo, o depoimento do ex-secretário de Saúde do Amazonas está mantido, pois já fazia parte do escopo inicial da CPI, com a crise de abastecimento de oxigênio no estado.

(*) Com informações O Globo 

 

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap