Candidatos a prefeito crescem 11% em 2020 com novas regras eleitorais - Amazonas1
25 de janeiro de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Candidatos a prefeito crescem 11% em 2020 com novas regras eleitorais

A quantidade média de candidatos para o Executivo em cidades com segundo turno subiu 22,5% para prefeitos e 23,8% para vereadores

Candidatos a prefeito crescem 11% em 2020 com novas regras eleitorais
Foto: Agência Brasil / José Cruz

A quantidade de pessoas se candidatando nos pleitos municipais deste ano cresceu 11,1% para prefeituras e 10,7% para vereadores. A maior alta ocorreu nas cidades maiores, aquelas que têm mais de 200 mil eleitores e, portanto, um segundo turno na eleição para prefeito.

Eleições

A quantidade média de candidatos para o Executivo em cidades com segundo turno subiu 22,5% para prefeitos e 23,8% para vereador. Esse grupo engloba 95 municípios nas eleições de 2020 e 92 nas de 2016. Nas demais cidades, o avanço na quantidade de concorrentes foi de 10,4% para prefeito e 8,7% para vereador.

Leia mais: Em propaganda eleitoral, candidatos falam de problemas da cidade e apresentam promessas

Os números são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e foram analisados pelo (M)Dados.

Reprodução: Metrópoles

A alta é uma consequência direta das novas regras eleitorais. Até 2016, eram somados todos os votos da coligação. Esse total levava a eleição de um número especifico de vereadores. Iam para o Legislativo os mais votados da coligação até esse número . É o chamado quociente eleitoral. Agora, as coligações não importam mais para esse cálculo e são levados em conta apenas os votos para cada partido.

Com isso, há um estímulo para que mais pessoas sejam lançadas e, assim, conseguir mais votos para a sigla, explicou o doutor em Ciência Política pela Universidade de Brasília (UnB), Leonardo Barreto. “Desde o ano passado, eu vejo com partidos o verdadeiro desespero de recrutar candidatos a vereador e a prefeito para eles poderem conseguir atingir o quociente nas cidades”, disse.

Prefeituras

Apesar da mudança impactar diretamente apenas eleições proporcionais, como a de vereador, elas têm um efeito também nas eleições para prefeito. Isso porque a regra que acabou com a coligação no cálculo do quociente eleitoral também afeta a eleição para deputado federal.

“Os partidos tentaram, também, lançar o máximo de candidatos a prefeito possível, porque esse candidato a prefeito vira puxador de voto nas eleições de 2022 ou, se forem eleitos, servem de cabos eleitorais para os partidos”, apontou Barreto.

O pleito de 2022 será muito importante para os partidos porque estará em vigor uma cláusula de barreira mais rígida do que a aplicada em 2018.

A cláusula de barreira determina se a sigla poderá receber ou não recursos do fundo partidário e horário eleitoral gratuito. Para ultrapassá-la e ter acesso aos recursos, será necessário que o partido receba, pelo menos, 2% dos votos válidos para deputado federal em no mínimo um terço dos estados. Além disso, será necessário pelo menos 1% dos votos válidos em cada um desses estados. Uma alternativa a essa regra é eleger pelo menos onze deputados federais em um terço das unidades da federação.

“Essa eleição é um laboratório dessas regras, especialmente das coligações e também é um preparativo para a próxima. O pessoal caprichou nas candidaturas a prefeito para criar nomes competitivos para 2022 ou boa base de cabos eleitorais”, resumiu Barreto

O professor do Instituto de Ciência Política da UnB, Carlos Augusto Mello Machado, aponta um segundo impacto que a mudança das regras tem na eleição para prefeito. “O que a gente via até eleição anterior era de que partido de grande porte apresentava cabeça de chapa e tinha estímulo para se coligar para angariar o maior apoio. Agora, não tem nenhum ganho de partido de grande e médio porte não apresentar”, continuou.

Ele ressalva que a classificação de partido de grande ou pequeno porte precisa levar em conta especificidades locais. “O partido pequeno, médio e grande tem que ser avaliado no contexto da eleição. Tem situação diversa em cada município”, explicou.

(*) Com informações do Metrópoles

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading