Nua, Claudia Raia dispara sobre sexo anal: “Por que não falar?”

US - R$ 4,13

×

Nua, Claudia Raia dispara sobre sexo anal: “Por que não falar?”

Atriz fez um ensaio sensual para a revista Ela e falou que terá um canal no Instagram para abordar assuntos polêmicos e "sem filtro"

A atriz Claudia Raia, de 52 anos, levou os fãs à loucura ao surgir em uma sequência de fotos completamente nua neste domingo ,10. As imagens compõem um ensaio sensual para a revista Ela, do Jornal O Globo, e renderam à artista centenas de elogios nas redes sociais.

Na entrevista, ela comentou sobre as limitações que a sociedade muitas vezes tenta impor à voz das mulheres e defendeu liberdade para as falas e ações do mundo feminino, além de revelar sobre um caso de assédio que sofreu aos 13 anos.

Cláudia, que tem 36 de carreira, 19 novelas e 15 musicais, diz que terá um canal de vídeos no IGTV, do Instagram, onde a atriz diz que fará vídeos “sem filtro”, para colocar em xeque assuntos que são vistos como tabus, como o sexo anal ou para responder a perguntas como “por que quem gosta de sexo é visto como puta?”.

“Quero falar sobre o que der na telha, sem filtro. Já que estou encalacrada sendo essa mulher de 52, por que não posso falar sobre sexo anal, por exemplo, algo que incomoda tanta gente? O homem vai lá e quer te obrigar a dar o c*! Não gosto, dá licença? Porr*. Por que tenho que fazer algo que detesto para agradar alguém? Com a maturidade, descobri que posso dizer do que gosto e não gosto — na verdade, sempre disse, mas o feminismo veio para reforçar isso”, explicou.

Atitude contra o assédio
Ela conta que não se arrepende dos ensaios nus que já fez e que sempre foi forte suficiente para não abaixar a cabeça para nada. E revelou inclusive a atitude que teve quando passou por uma situação de assédio na adolescência.

“Quando eu tinha 13 anos, fui estudar balé em Nova York e fiquei hospedada na casa de um bailarino amigo da minha mãe. Um dia, ele sentou ao meu lado e começou a conversar, colocou a mão na minha perna, e daqui a pouco a mão veio subindo, subindo… Imediatamente olhei para o lado para ver o que me cercava, o que eu poderia usar para me defender. Quando ele veio com mais força, peguei a primeira coisa que alcancei, uma coruja de cristal, e ‘pow!’ na cabeça dele. Não seria diferente porque fui criada para jamais abaixar a cabeça para nada. Felizmente, só passei por isso uma vez na vida”, concluiu.

(*) Com informações do Metrópoles 

Faça um comentário