Ex-secretário da gestão de Braga é condenado por ‘obras fantasmas’

O ex-secretário Marco Aurélio também foi impedido de exercer função pública ou política nos próximos oito anos, a contar da decisão
Edilânea Souza – Portal AM1*
• Publicado em 10 de junho de 2021 – 14:13
Ex-secretário Marco Antônio
O ex-secretário Marco Aurélio também foi impedido de exercer função pública nos próximos oito anos, a contar da data da decisão

MANAUS, AM – Em decisão proferida pelo Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) no mês de abril, o ex-secretário de Infraestrutura do Estado na gestão de Eduardo Braga (MDB), Marco Aurélio Mendonça, foi condenado a pagar multa por causar dano ao erário público. Marco Aurélio é investigado por “obras fantasmas” que deveriam ser feitas no Amazonas.

Na decisão, a juíza da 3ª Vara da Fazenda Pública, Etelvina Lobo Braga, determinou que o ex-secretário deverá pagar multa no valor de dez vezes mais que o do contrato realizado em 2007, quando foi feito um convênio para a realização de obras de melhoria e ampliação do sistema viário nas cidade de Benjamin Constant, Fonte Boa, Santo Antônio do Içá, São Paulo de Olivença, e Tabatinga, interior do Amazonas. Segundo os autos o valor da época era de R$ 34.943.716,30 milhões, pagos em 12 parcelas.

O ex-secretário Marco Aurélio também foi impedido de exercer função pública nos próximos oito anos, a contar da data da decisão.

Além do ex-secretários, funcionários da Seinfra e empresários envolvidos na contratação também foram condenados na mesma sentença, entre eles, o ex-presidente da Sociedade Civil de Desenvolvimento Integrado e Sustentável da Mesorregião do Alto Solimões (Conaltosol), Antunes Bitar Ruas e o responsável da empresa Pampulha Construções e Montagens LTDA, Alexandre Magno Fernandes Lages.

Decisão condena o ex-secretário a pagar multa, deixar função pública ou política, caso exerça cargo
Decisão condena o ex-secretário a pagar multa, deixar função pública ou política, caso exerça cargo

Leia mais: Ex-presidente da Câmara de Japurá é multado em R$ 100 mil pelo TCE

Ainda segundo a decisão, a Pampulha ficará proibida de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 05 (cinco) anos.

A constatação das “obras fantasmas à época foram feitas pelo Ministério Público do Amazonas (MP-AM), durante fiscalizações nos locais indicados no contrato para receberem as melhorias, que entrou com Ação Civil Pública contra o ex-secretários e empresários.

Os nome de André Gomes de Oliveira, Faustiniano Fonseca Neto, Francisco Corrêa de Lima, Tyssia Régia Rayol Cavalcante Oliveira, também aparecem no processo n.º 0209939-54.2008.8.04.0001 , e eles devem pagar cada um, multa civil correspondente a 10 (dez) vezes o valor da remuneração individual recebida à época dos fatos.

Confira a decisão no TJAM

Ex-secretário da gestão de Braga é condenado por ‘obras fantasmas’

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap