Mulheres são principais vítimas de assédio sexual no trabalho
29 de outubro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
24oC  32oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Mulheres são principais vítimas de assédio sexual no trabalho

De acordo dados da SSP-AM, de janeiro até novembro de 2019, 45 casos foram registrados em Manaus

Mulheres são principais vítimas de assédio sexual no trabalho
Delegada Debora Mafra (Divulgação)

Propostas e imposições inapropriadas e constrangedoras de cunho sexual, praticadas por superiores no ambiente de trabalho, caracterizam-se como assédio sexual. Incluído no Código Penal em 2001, o crime, que afeta a intimidade das vítimas, tem entre seus autores chefes e colegas de trabalho em posição hierárquica superior e até clientes.

O assédio sexual pode acontecer de várias formas, por meio de contato físico, assédio verbal, gestual ou por escrito, com mensagens ofensivas e abusivas em particular ou nas redes sociais, com comentários em publicações, convites inapropriados ou propostas indecentes. Casos em que essa mesma prática é adotada por estranhos podem ser classificados como importunação sexual.

Veja também:

Seminário e audiência pública discutem sobre violência contra mulher

Projeto inclui combate à violência contra a mulher na educação básica

TJAM realiza semana de combate à violência contra a mulher

Segundo a titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher, Débora Mafra, o abuso de poder faz com que o agente chantageie a vítima e ela fique sem saber o que fazer.

“A vítima fica com um sentimento de impotência profunda, desespero e depressão. A investigação dos casos de assédio sexual cabe à Polícia Civil”, disse.

Esse tipo de violência sexual atinge mulheres de todas as idades, classes sociais, raças e orientações sexuais. Contudo, o assédio sexual no ambiente do trabalho também afeta o sexo masculino.

“Os homens também sofrem com este tipo de crime, em menor escala, mas também são alvos de violência sexual”, pontuou Mafra.

As vítimas podem se dirigir a qualquer delegacia para registrar Boletim de Ocorrência (BO). Após o registro, a ação é remetida diretamente para a Justiça. É importante que as vítimas levem provas documentais do assédio, como gravações, fotos ou testemunhas, entre outras coisas, que possam comprovar o crime e, consequentemente, embasar o pedido de indenização por danos morais e materiais à empresa. 

 

(*) Com informações da assessoria

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading