Ex-presidente Evo Morales planeja criar 'milícias armadas do povo'

US - R$ 4,21

×

Evo Morales planeja criar na Bolívia as ‘milícias armadas do povo’

Evo deixou o cargo em 10 de novembro, após semanas de protestos por conta de suspeitas de fraude nas eleições de 20 de outubro

Reprodução: kurier

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, disse que, caso o partido Movimento ao Socialismo (MAS) volte ao poder, “será preciso organizar, como na Venezuela, milícias armadas do povo”.

Evo disse isso em uma entrevista na Argentina, onde está como refugiado, ao responder uma pergunta sobre sua renúncia.

“Muitos me perguntam, nos últimos tempos, como era possível que não tivemos um plano B para impedir o golpe contra mim. E é verdade que nos sentíamos muito confiantes, e não pensamos nisso”.

Evo deixou o cargo em 10 de novembro, após semanas de protestos por conta de suspeitas de fraude nas eleições de 20 de outubro, na qual ele disputou o quarto mandato seguido. Houve também pressão das Forças Armadas, que sugeriram a ele que deixasse o cargo.

Na Venezuela, desde o governo de Hugo Chávez (1999-2013), há grupos armados paralelos à polícia e ao Exército. Chamados de “coletivos”, são forças pró-governo e atualmente respondem diretamente ao ditador Nicolás Maduro.

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, respondeu a Evo por meio das redes sociais e disse que o ex-presidente “ratifica sua ameaça permanente à democracia e à liberdade dos bolivianos. Quer voltar para organizar milícias e nunca mais sair do governo. Com ou sem Evo, a ameaça do MAS é a mesma”.

As novas eleições na Bolívia estão marcadas para 3 de maio. Já estão confirmados como candidatos os oposicionistas Carlos Mesa (centro-esquerda), que disputou a última eleição, e o direitista Jorge Quiroga (direita), ambos ex-presidentes. O nome do candidato do MAS será escolhido numa assembleia do partido, em Buenos Aires, no domingo, 19.

Pesquisas recentes apontam que os pré-candidatos do MAS ganhariam em primeiro turno, em qualquer cenário. Evo não irá concorrer, mas é o chefe de campanha do partido, que hoje também tem maioria no Congresso.

 

(*) Com informações da Folha Press

Faça um comentário