Alejandro Valeiko será indiciado por omissão de socorro, diz defesa

US - R$ 4,18

×

Alejandro Valeiko será indiciado por omissão de socorro, diz defesa

Durante coletiva, os advogados divulgaram que desfecho do inquérito da Polícia Civil foi muito satisfatório e reflete a verdade dos fatos.

Equipe de advogados de defesa de Alejandro Valeiko descartam transferência. (Foto: Josemar Antunes/Amazonas1)

“Eu examinei o relatório da autoridade policial e fiquei muito feliz. A polícia, depois de muitas encenações, chegou a conclusão verdadeira. Ela disse taxativamente que Alejandro não cometeu nenhum crime. Essa conclusão é da polícia sobre a morte do Flávio”. Foram com essas palavras que o advogado Félix Valois, comentou o relatório policial sobre a participação de Alejandro Molina Valeiko na morte do engenheiro Flávio.

De acordo com o advogado Félix Valois, o relatório final apresentado pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), ao Ministério Público do Amazonas (MP-AM), indicia Alejandro Valeiko pelo crime de omissão de socorro.

“Este indiciamento de omissão, apresentado pela autoridade policial, está correto. Realmente, Alejandro não contribuiu para a morte de Flávio. Mas o equívoco se dá em querer mostrar para o público e para a imprensa que, nessa omissão, teve relevância no assassinato. O que não é verdade. O Alejandro não fez absolutamente nada para criar o ambiente que se deu a morte do Flávio”, disse Valois.

A defesa pede, ainda, que o documento seja analisado no Ministério Público do Amazonas (MP-AM) com a realidade jurídica e não denuncie o Alejandro por qualquer desses crimes. Ele classificou o inquérito da DEHS como uma “tolice jurídica” e “perseguição política”.

“Tecnicamente, essa vinculação do Alejandro com a morte do Flávio é uma tolice jurídica. Este inquérito não teria chegado a essa conclusão se Alejandro não fosse enteado do prefeito de Manaus. Só por isso ele está sofrendo essa perseguição. Esse tipo de comportamento persepitório acaba transformando numa prisão desnecessária em uma prisão política, o que é lamentável na República nos dias de hoje”, pontuou o advogado Félix Valois.

O advogado Marco Aurélio de Lima Choy, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Amazonas (OAB-AM), declarou que a prisão de Alejandro é desnecessária, já que ele colaborou para verdade dos fatos.

“Alejandro sempre se preocupou com a verdade e esclarecimentos sobre esse brutal assassinato de Flávio. Não só a sociedade merece respostas, mas também a família e amigos de Alejandro. Ele foi uma das primeiras pessoas a ser ouvida no inquérito policial, submeteu-se a exames de corpo de delito, compareceu para prestar esclarecimentos no intuito de contribuir com as investigações. Desnecessidade até aqui dessas prisões, pois Alejandro durante todo esse período em que esteve preso nunca foi ouvido pela polícia. Ele ficou à disposição para participar da reconstituição do crime e forneceu material genético necessário para a verdade aparecer e a justiça, efetivamente, seja feita”, comentou o advogado Marco Aurélio de Lima Choy.

Sangue

Os advogados de defesa confirmaram que o sangue encontrado nos espaços do imóvel eram de Alejandro após a agressão por coronhadas.

Segundo Marco Aurélio de Lima Choy, Alejandro foi agredido com duas coronhadas e ficou ao lado de Flávio. Essa versão também foi confirmada na reconstituição no dia 18 de novembro, no condomínio Residencial Passaredo.

Imprensa

Choy argumentou, ainda, que a imprensa tem um papel fundamental no processo da democratização da informação verdadeira. Ele disse que o relatório, apresentado pela autoridade policial, não narra qualquer conduta de Alejandro Valeiko no assassinato.

Viagem de Alejandro

Conforme a advogada Clotilde Castro, a viagem de Alejandro para o Rio de Janeiro não apresentou furo no trajeto. Após o episódio, Alejandro foi internado em uma clínica de reabilitação sem saber. “Mesmo com essas informações, a polícia tenta insinuar que Alejandro tinha participação nesse homicídio”, comentou.

O advogado Yuri Dantas informou que a defesa pediu a revogação da prisão temporária de Alejandro junto à Justiça.

Faça um comentário