Envelhecimento, Inovação e Tecnologia - Amazonas1

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

27 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Envelhecimento, Inovação e Tecnologia

O envelhecimento de nossa população é mais uma oportunidade para a criação de negócios de sucesso e de tecnologias que permitirão solucionar problemas que já são possíveis de serem previstos.  De acordo com o IBGE, em 2017 já eram mais de 30 milhões o número de idosos no país, representando um aumento de 18% em […]

Envelhecimento, Inovação e Tecnologia

O envelhecimento de nossa população é mais uma oportunidade para a criação de negócios de sucesso e de tecnologias que permitirão solucionar problemas que já são possíveis de serem previstos.  De acordo com o IBGE, em 2017 já eram mais de 30 milhões o número de idosos no país, representando um aumento de 18% em apenas 5 anos. De acordo com as projeções, em 2060, o Brasil terá mais idosos do que jovens, chegando ao número de 58,2 milhões de pessoas acima de 65 anos, que representará um percentual de 25,5% da população brasileira. Em 2018 esse número era de 19,2 milhões, representando um percentual de 9,2% da população total. Isso decorre da queda do crescimento populacional, prevista para depois de 2047. O número de crianças abaixo de 14 anos, representa hoje 21% da população e deverá cair para 15% em 2060.

E em que isso afetará o país e a economia?  O primeiro sistema a ser afetado é o previdenciário, pois teremos menos trabalhadores gerando contribuições para manter o sistema. O segundo é o sistema de saúde, que será mais exigido em função do aumento da demanda por serviços e o terceiro é o próprio mercado de trabalho, com uma menor oferta da mão de obra jovem disponível para a produção de bens e serviços.  Assim, embora a pergunta pareça nos conduzir a respostas bem menos complexas, devemos considerar uma reflexão bem mais qualificada sobre essa questão, que receio, não seja tão elementar quanto parece. Este tema será alvo de outros artigos com outras abordagens por ser uma certeza pela qual o país passará, e engana-se quem acredita que temos tempo para nos prepararmos. O que seremos daqui a 40 anos precisa ser construído a partir de agora.  Neste primeiro momento, nossa discussão será somente com relação às oportunidades de negócios inovadores que essa nova composição da população necessitará e uma breve avaliação das tecnologias já disponíveis, que podem e devem ser utilizadas.

Como já comentado, podemos prever uma maior necessidade de disponibilidade de serviços de saúde e correlatos, com uma ampliação do mercado de trabalho para profissionais de áreas ligadas às atividades da saúde e bem-estar, bem como da indústria de equipamentos que proporcionem melhor qualidade de tratamentos e que ampliem a condição física e mental desta população. Some-se a essas áreas as atividades de lazer e bem-estar, que precisarão de um novo direcionamento que atenda a este publico, que possui expectativas e anseios diferenciados em relação ao que hoje são ofertados.  Além deste cenário, mais ligados às profissões que deverão oferecer maiores oportunidades no mercado de trabalho, é preciso considerar ainda que os modelos de negócios precisarão adaptar-se para atender à uma população maior e com um poder aquisitivo menor do que o os clientes habituais de hoje.

As atuais instituições, que compõe o sistema de saúde e bem-estar, incluídas aí as de serviços médicos, academias e outras que atuam de alguma forma neste mercado, não possuem hoje, uma capacidade instalada de atendimento, nem profissionais qualificados capazes de atender a essa população crescente.  Entretanto, isso tende a ser resolvido pelo mercado, que se ajusta à demanda, porém, os modelos de negócios vigentes não estão ajustados ao poder aquisitivo da maioria da população idosa do país, e, certamente, precisarão ser reinventados. São problemas como esses que precisam da atenção das Universidades e dos Institutos de Pesquisa e Inovação, pois a tecnologia pode, e deve, ser a principal aliada da sociedade na solução ou minimização de suas fragilidades.

Harari (2015), em seu livro o livro Homo Deus, afirma que a manutenção da vida humana passou a ser um problema técnico, com várias tecnologias sendo desenvolvidas nos laboratórios, com expectativas de prolongarem a vida por longos períodos, porém, com custos viáveis apenas para os muito ricos.  Se essas avançadas ferramentas de manipulação genética ainda não estão disponíveis ou se serão possíveis apenas para poucos, temos os dispositivos desenvolvidos a partir das tecnologias que formam a Internet das Coisas (IoT na sigla em inglês) , a Inteligência Artificial (IA) e o Big Data, entre outras, que vem se tornando fortes aliados na manutenção das condições de saúde. Hoje já estão disponíveis pulseiras, relógios e até mesmo roupas que monitoram, além dos sinais vitais, alguns parâmetros capazes de alertar para alguma situação de risco à saúde, permitindo que, ao invés de atuar em uma emergência, os profissionais de saúde possam intervir antecipadamente, com resultados muito melhores para o paciente, custos menores para o sistema de saúde e benefícios que acabam se estendendo para toda a sociedade.

Investir no desenvolvimento de projetos de pesquisa aplicada e startups que atuem no desenvolvimento de dispositivos e aplicativos adequados às necessidades e da população brasileira, além de criar oportunidades para uma indústria com alto valor agregado em seus produtos e alta demanda, permitirá uma atuação mais qualificada dos profissionais de saúde. Estes dispositivos, utilizando um conjunto de informações obtidas em tempo real, pode eliminar os custos de exames desnecessários e reduzir o tempo de internação de pacientes e de ocupação das equipes médicas.  

Os desafios, entretanto, serão grandes e precisam ser tratados com muita competência. Podemos especular como essas tecnologias serão vistas pelas grandes corporações, pois, tanto a cura definitiva de doenças ou as barreiras para que aconteçam, acabam com muitos negócios de sucesso, como a indústria farmacêutica e mercado da saúde mundial. Se a genética identificar na maternidade uma doença que acontecerá daqui a 60 anos em um recém-nascido e reparar isso com uma simples intervenção laboratorial, negócios milionários serão destruídos. A máquina de escrever e os filmes fotográficos desapareceram e quase não notamos, mas nem sempre será assim.

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading