Intercept denuncia assédio de professores do Ifam contra alunas

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

25 de setembro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Intercept denuncia assédio de professores do Ifam contra alunas

Segundo o portal as acusações abrangem nove dos 16 campi do instituto, espalhados por oito municípios. As estudantes têm entre 15 e 18 anos

Intercept denuncia assédio de professores do Ifam contra alunas
Portal afirma que alunas assediadas têm entre 15 e 18 anos de idade; (Foto: reprodução)

O site The Intercept publicou, nesta quinta-feira, 5, uma matéria de autoria da jornalista Nayara Felizardo denunciando casos de assédio sexual, supostamente, praticados por professores do Instituto Federal do Amazonas (Ifam). De acordo com o portal, os fatos ocorreram em oito municípios do Estado, onde a instituição de ensino funciona.

Segundo o site, pelo menos 30 alunas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam) já acusaram professores da instituição de assédio sexual desde 2013.

Os casos foram relatados à direção do Ifam, umas das principais instituições de Ensino Médio e Profissionalizante do estado, e envolvem 18 professores. Algumas denúncias também foram levadas ao Conselho Tutelar, à polícia e ao Ministério Público estadual e federal, afirma o Intercept.

Ainda segundo o portal, ao todo, as acusações abrangem nove dos 16 campi do instituto, espalhados por oito municípios. As estudantes, todas entre 15 e 18 anos, relataram terem sido assediadas no ambiente escolar e fora dele.

Leia mais 

The Intercept Brasil

Desde então, seis professores foram demitidos, um não teve o contrato temporário de trabalho renovado e outros 11 seguem dando aulas ou foram temporariamente afastados, afirma a reportagem

Segundo a jornalista   autora da reportagem, das 18 denúncias, apenas seis resultaram em demissão e duas nem sequer foram oficialmente investigadas pelo Ifam.

Entre os professores demitidos, apenas um respondeu a processo criminal e acabou condenado ao pagamento de quatro salários-mínimos e a 485 horas de trabalho comunitário.

(*) com informações do The Intercept

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading