US - R$ 3,90

×

Criança é salva de chacina após se esconder dentro da máquina de lavar

A menina de 11 anos presenciou a morte da mãe e dos irmãos.


Duas crianças, de 5 e 11 anos, conseguiram se salvar da chacina que deixou quatro pessoas da mesma família mortas, na manhã de quarta-feira (9), em Triunfo, na Região Metropolitana de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. De acordo com o pai da menina de 5 anos, Tarciso Ribeiro, a cunhada, de 11 anos, escondeu a filha dele dentro de uma máquina de lavar.

“Enquanto ele matava meu cunhado, minha guriazinha, nesse momento, estava dentro da máquina de lavar”, conta o pai.

A cunhada conseguiu fugir e se escondeu na casa dele, nos fundos do terreno. A esposa de Tarciso, Valéria Borges, de 28 anos, a mãe dela, Mirian Ribeiro Pereira, de 52, e os irmãos Valquiria, de 30, e João Paulo, de 21, foram mortos a golpes de facão.

O vizinho da família, Deoclides da Silva, de 45 anos, autor dos crimes, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça e é considerado foragido.

“Ele e a minha sogra estavam sempre discutindo, mas nada assim. Ele sempre foi uma pessoa muito nervosa, muito ruim. Só que naquele dia fez isso”, diz Tarciso.

O filho mais novo de Mirian, de 19 anos, presenciou as mortes. Tarciso conta que os dois cunhados tentaram salvar a família, mas era tarde demais.

“Meus cunhados viram a discussão na frente de casa. Eles levaram as crianças para dentro e quando voltaram as mulheres estavam todas mortas. Eles tentaram se esconder dentro de casa, mas o homem foi atrás deles. Ele enfiou a faca pelo buraco da fechadura, era uma porta sem maçaneta, daquelas que passa uma corrente, e acertou meu cunhado na barriga, depois no peito”, conta.

Tarciso, que estava trabalhando em Arroio do Sal, no Litoral Norte, foi avisado das mortes por familiares e, ao chegar na casa da sogra, no meio da tarde, encontrou os corpos ainda no local.

Discussão

Deoclides teria mostrado a genitália para uma das filhas de Mirian. Com isso, a família começou a discutir com o suspeito, que pegou um facão em casa e foi até a residência vizinha. “Era comum discutirem. Viviam batendo boca”, comentou o delegado que investiga o caso, Lucio Melo

O homem trabalha como cortador de mato, segundo a polícia. O delegado informou ainda que ele tem antecedentes por ameaça, não relacionados à família.

Deoclides da Silva, de 45 anos, teve foto divulgada pela investigação. Quem tiver informações pode ligar anonimamente para o 197, 190 ou 51 3654-1177.

O velório da família foi na tarde de quinta (10), no Salão Santa Terezinha, na localidade de Barreto. Eles foram enterrados, no fim do dia, no cemitério da cidade.

 

*Informações retiradas do G1

Faça um comentário