ALE-AM é a primeira no país a debater redução de ICMS na gasolina

US - R$ 5,24

×

ALE-AM é a primeira no país a debater redução de ICMS na gasolina

Josué Neto criará uma comissão de deputados e representantes de classes para abrir diálogo com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AM) para reduzir a alíquota do ICMS nos combustíveis

“A população está insatisfeita com os preços dos combustíveis e a Assembleia em nenhum momento se furtará a manifestação e a oportunidade do debate”. A declaração é do presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), Josué Neto, após três horas de debates na Audiência Pública que tratou da possibilidade de redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços ) dos combustíveis no Amazonas.

Segundo Josué, a partir de agora uma Comissão formada por deputados e representantes de classes será criada para abrir diálogo com a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-AM). “Não podemos dizer que isso é responsabilidade de A ou B, mas sim uma responsabilidade conjunta do poder público para que a gente possa ouvir a voz do povo. O homem público que não ouve o povo está fadado ao fracasso”, destacou.

Autor do pedido de audiência, junto com os deputados Dermilson Chagas e Abdala Fraxe (Podemos), Josué Neto explicou que o debate foi feito em atenção a pedidos de manifestantes e também pela proposta do presidente Jair Bolsonaro de reduzir impostos federais sobre os combustíveis caso os Estados o fizessem.

Caminhoneiros

Segundo o líder dos caminhoneiros no Brasil, Josué Rodrigues, apenas quatro Estados aceitaram o desafio do presidente Jair Messias Bolsonaro de reduzir os impostos sobre os combustíveis. “Falta comprometimento com a população. Agradeço aqui o presidente Josué Neto pelo apoio e vamos continuar lutando para reduzir esse ICMS dos combustíveis aqui no Amazonas”, disse Rodrigues.

“Internacionalizaram os preços, quando o dólar sobe tudo vai junto. Você vai sair com o preço da gasolina de dentro da Petrobrás com o valor de R$ 1,58 a R$ 1,60, quando é taxado o ICMS ele já chega a R$ 2,02 na Distribuidora e aí vem subsequentes impostos, que chegam a 38% e elevam esse preço, e nos deixam em uma situação dos caminhoneiros reclamarem dia e noite sobre essa situação”, explicou o diretor-secretário do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria do Petróleo Amazonas (Sindipetro), Agnelson Camilo.

Durante os debates, o deputado Serafim Corrêa sugeriu que é melhor abrir diálogo entre todas as partes envolvidas e que tem o poder de decisão. Além de Serafim e Josué, os deputados Abdala Fraxe e Felipe Souza também participaram da Audiência Pública.

*Com informações da assessoria

Faça um comentário