No Nordeste, Bolsonaro tenta angariar apoio anti-PT em evento

US - R$ 4,09

×

No Nordeste, Bolsonaro tenta angariar apoio anti-PT em evento

O presidente participou da entrega de um complexo de casa do programa Minha Casa, Minha Vida, em Campina Grande, na Paraíba

Em evento fechado para convidados, nesta segunda-feira, 11, em Campina Grande, segunda maior cidade da Paraíba, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez um discurso no qual procurou demostrar intimidade com o Nordeste brasileiro. Apesar da ausência do governador do estado, João Azevedo (PSB), Bolsonaro enfatizou que se sentia nordestino e que não há nada melhor local para um político se sentir “bem recebido” pelo seu povo.

“Não existe momento maior de satisfação para um governante que ser bem recebido pelo seu povo”, disse o presidente, ao iniciar seu discurso durante uma solenidade de entrega de um complexo habitacional com 4,1 mil moradias do Minha Casa, Minha Vida. Criado em 2009, no governo do petista, o programa terá o nome alterado no mês que vem.

Durante a solenidade, o governador da Paraíba foi substituído pela vice-governadora, Lígia Feliciano. Filiada ao PDT, ela foi crítica do titular do governo. Em seu discurso, ela contemporizou as rusgas do passado. “A grandeza da política é separar a política da gestão”, disse a vice governadora, em apoio ao presidente.

Atento ao possível fortalecimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na região, onde o PT venceu em praticamente todos os estado nas últimas eleições, o presidente procurou mostrar intimidade com a região, repetindo várias vezes a expressão “cabra” ao se referir a políticos que ele quer em seu grupo de apoio. A expressão é típica dessa região.

Ele repetiu que sua filha, a pequena Laura, é o elo de sua família com o Nordeste. “Na minha família, a minha filha tem sangue de cabra da peste”, disse o presidente. “Meu sogro é do Ceará”, prosseguiu.

Depois, ele disse que se sentia nordestino por ser do estado que tem a capital com o maior número de pessoas originárias da região: São Paulo.

Apoio
Bolsonaro citou o ex-governador tucano Cássio Cunha Lima que, em suas palavras, poderia ocupar a sua cadeira. “O ex-governador chegou modestamente, sem muito alarde, e disse que queria ficar na segunda fileira. Eu disse não. Fica na primeira. Se não tiver vaga, fica na minha cadeira”, disse o presidente arrancando aplausos dos presentes.

Cunha Lima é de Campina Grande e um dos políticos mais influentes da região. “Da maneira que ele foi recebido, vi que ele não é mais patrimônio de Campina Grande, mas do Brasil”, afagou Bolsonaro. “E pelo que vi dele neste dia, ele tem mais uns 40 anos para trabalhar para todos nós”, completou.

Contribuição
Apesar de inaugurar um complexo habitacional idealizado pelos governos do PT, o presidente procurou informar que políticos de outras denominações contribuíram para que a obra fosse realizada, citando deputados da região e mais uma vez, o tucano. “Ninguém faz nada sozinho. Temos que trabalhar em equipe”, disse o presidente.

(*) Com informações do Metrópoles 

Faça um comentário