US - R$ 3,71

×

Presidenciável pela 3ª vez, Ciro Gomes acumula polêmicas


Polêmicas em que se meteu ao longo da vida política são frequentemente relacionadas a Ciro Gomes, que lançou nesta sexta-feira, 20, sua terceira candidatura à Presidência da República, desta vez pelo PDT.

(Foto: Reprodução)

O presidenciável é conhecido pelo estilo verborrágico e pelo comportamento imprevisível, fatores apontados por lideranças políticas como razões para o centrão ter se afastado dele e resolvido nesta quinta (19) aderir à campanha de Geraldo Alckmin (PSDB).

Nos últimos dias, o pedetista chegou a ser aconselhado no partido a ser mais ponderado ao fazer críticas públicas. Num jantar recente com potenciais apoiadores, em Brasília, também foi cobrado para que tentasse segurar a língua.
No mesmo dia do puxão de orelha, ele havia se irritado em um congresso de prefeitos em Belo Horizonte. Ameaçou se retirar do palco e acabou sendo vaiado pela plateia.

O episódio mais rumoroso da trajetória eleitoral de Ciro ocorreu na corrida presidencial de 2002. Na época, questionado sobre o papel que sua então mulher, a atriz Patrícia Pillar, tinha na campanha, o candidato disse que o principal era dormir com ele.

Depois o ex-ministro se retratou, mas esse foi considerado um dos motivos para a derrocada dele nas intenções de voto. Sua pré-candidatura neste ano foi lançada no Dia Internacional da Mulher, como uma espécie de desagravo à declaração que fez no pleito do passado. Ele vem tentando reverter a imagem de machista.

Em abril deste ano, Ciro discutiu e chegou a dar um tapa na nuca de um blogueiro ligado ao MBL (Movimento Brasil Livre). Após o caso, que ficou conhecido como “pescotapa”, o ex-ministro afirmou que iria adotar comportamento de político.

Em junho, outro membro do MBL se tornou alvo do presidenciável. Ele chamou o vereador de São Paulo Fernando Holiday (DEM) de “capitãozinho do mato”. Disse que “a pior coisa que tem é um negro que é usado pelo preconceito para estigmatizar, que era o capitão do mato do passado”.

Holiday o acusou de racismo, o que Ciro rechaçou. Com o bate-boca, o pré-candidato acabou ampliando a aversão a seu nome no DEM, partido do qual buscava se aproximar. Na quarta-feira passada, 18, ao comentar o caso envolvendo o vereador, novo escorregão do presidenciável: ele xingou de “filho da puta” integrante do Ministério Público que solicitou a abertura de um inquérito contra ele por injúria racial.

Só que, diferentemente do que Ciro pensava, o membro da Promotoria ao qual se referia não era um homem, mas uma mulher. O Ministério Público se manifestou sobre o episódio e disse que foram usados termos “completamente inapropriados”.

No mesmo dia do xingamento, o pré-candidato também disse, em entrevista à rádio Jovem Pan, que os militantes do MBL são “delinquentes juvenis”. Ao confirmar sua nova candidatura ao Planalto, nesta sexta, em Brasília, Ciro reconheceu que comete erros e falou que nunca teve a pretensão de ser um anjo.

“Não sou superior nem imune nem vacinado a erros. Tenho trabalhado praticamente dez horas por dia e a minha ferramenta de trabalho é a palavra. Evidentemente que posso errar aqui e ali, porque nunca tive a pretensão de ser um anjo”, disse.

 

 

*Com informações da Folhapress

Faça um comentário