MENU
logo-amazonasum

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Vereador é expulso do Patriota após chamar Flávio Bolsonaro de bandido

O vereador é contra a filiação de Flávio Bolsonaro ao Patriotas e afirmou não fazer 'fileira a com família Bolsonaro'
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 10 de junho de 2021 – 17:23
Foto: Reprodução

SÃO PAULO, SP – O vereador paulistano e advogado do MBL (Movimento Brasil Livre) Rubinho Nunes foi expulso do Patriota. A decisão foi tomada em convenção municipal da legenda realizada na segunda (7). O parlamentar foi denunciado por indisciplina partidária. Ele não irá recorrer da decisão.

“Eu não faço fileira com a família Boslonaro, com bandido, criminoso”, diz Nunes à reportagem. “Vou tocar a minha vida bem longe deles.”

Segundo o vereador, o pedido pela sua expulsão se baseou nas críticas que ele vem fazendo ao partido após a filiação do senador Flávio Bolsonaro à agremiação. “Adotei uma linha contrária [à do partido], pesada. Não concordo [com a adesão de Bolsonaro].”

Leia mais: Aos prantos, Bolsonaro questiona mortes por covid-19 no Brasil

“[Na convenção municipal que determinou a sua saída] eu reiterei os termos. Não estou a fim de brigar, mas não vou anuir e concordar com a presença de figuras criminosas como os Bolsonaros”, segue o vereador, que se filiou ao Patriota em março de 2020 para concorrer a uma vaga na Câmara Municipal de São Paulo.

Ele conta que na ocasião de sua filiação, questionou a direção nacional do partido se algum membro da família do presidente se juntaria àquela legenda. “Se sim, eu não me filiaria. Me foi garantido que jamais viria um Bolsonaro para o partido. Recentemente, perguntei de novo, e foi reiterado que eles não viriam.” “Agora teve esse fato recente, e é óbvio que eu não ia ficar quieto”, afirma ele, sobre a chegada de Flávio.

Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, é acusado de liderar um esquema de “rachadinha” em seu antigo gabinete na Assembleia Legislativa, levado a cabo por meio de 12 funcionários fantasmas entre 2007 e 2018, período em que exerceu o mandato de deputado estadual.

(*) Com informações de Mônica Bergamo, da Folhapress

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap