Manaus, 12 de julho de 2024
×
Manaus, 12 de julho de 2024

Cidades

Acusado de matar jovem é condenado a mais de 26 anos de reclusão

Acusado de matar jovem é condenado a mais de 26 anos de reclusão

(Foto: Divulgação)

O Conselho de Sentença da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus condenou nesta quinta-feira, 9, a 26 anos e seis meses de reclusão, em regime fechado, Lamman Queiroz de Santana. Ele foi denunciado pelo Ministério Público Estadual (MPE-AM) pela morte de Eric Silva Omena e tentativa de homicídio contra Willian Buzinaro Andrade de Souza, crimes ocorridos em outubro de 2013, na avenida Álvaro Maia, zona Sul da cidade, após uma perseguição no trânsito.

Foto: Raphael Alves/ TJAM

Incurso nos crimes previstos no art.121, parágrafo 2º, inciso III (perigo comum e crueldade); art. 121, parágrafo 2, III (perigo comum) – relativo à tentativa de homicídio –; combinados com o art. 14, inciso II, todos do Código Penal Brasileiro (CPB), Lemman, que respondia ao processo em liberdade, ao final do julgamento foi encaminhado para o início do cumprimento da pena em unidade prisional da capital.

Lamman Santana era acusado de matar, por atropelamento, Eric Silva Omena e, na mesma ocasião,  ferir gravemente Willian Buzinaro. De acordo com a denúncia do Ministério Público, as duas vítimas estavam em uma motocicleta e foram perseguidas por Lamman, que dirigia uma picape. A perseguição teria iniciado na saída de uma casa de de show localizada no bairro Santo Antônio, zona Oeste de Manaus e terminado na avenida Álvaro Maia, próximo a um posto de combustível daquela via, na área do bairro São Geraldo.

Segundo o inquérito policial que deu origem à denúncia do MPE-AM, duas semanas antes do crime, Lamman Santana estava em uma casa de show, no bairro Santo Antônio, quando um amigo dele teria se envolvido numa discussão com William Buzinaro, por causa de uma mulher. Na noite do dia 6 de outubro de 2013, Lamman teria encontrado Willian Buzinaro, na mesma casa de show. Temendo ser agredido, William deixou o local, em sua motocicleta, na companhia do amigo Eric Omena, que foi na garupa.

Lamman, então, na direção de sua picape, iniciou uma perseguição aos dois, até que os alcançou, já na avenida Álvaro Maia. O acusado, segundo o inquérito, bateu na motocicleta por três vezes, até que as vítimas caíram no asfalto. Lamman ainda teria passado com o veículo por cima de Eric – que, segundo o MPE, não havia participado da discussão que deu origem ao desentendimento entre Lamman e William. Sobrevivente, William foi  testemunha no julgamento desta quinta-feira.

O julgamento foi presidido pelo juiz Celso Souza de Paula, com o promotor de justiça Armando Gurgel Maia trabalhando na acusação. O réu teve em sua defesa o advogado Eguinaldo Moura.

 

*Com informações da assessoria