Ex é preso acusado de agredir e manter funkeira em cárcere privado - Amazonas1
16 de maio de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Ex é preso acusado de agredir e manter funkeira em cárcere privado

Os policiais que atenderam a ocorrência precisaram arrombar a porta do apartamento, já que ninguém atendia aos chamados da equipe

Ex é preso acusado de agredir e manter funkeira em cárcere privado
Foto: reprodução

RIO – O ex-companheiro da funkeira Marcelly Almoaya da Silva, de 29 anos, conhecida como Mc Marcelly, foi preso em flagrante neste domingo (2) acusado de mantê-la em cárcere privado durante seis dias. Segundo o depoimento da cantora, Francimar Jorge Cavalcante não aceitava o fim do relacionamento de 11 anos. Marcelly ainda acusa o companheiro de ameaçá-la e agredi-la.

Francimar foi preso por policiais militares no apartamento que o casal dividia no Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio. Os PMs foram acionados pelo irmão da funkeira, com quem a cantora conseguiu fazer contato em um momento de distração do ex-companheiro.

Os policiais que atenderam a ocorrência precisaram arrombar a porta do apartamento, já que ninguém atendia aos chamados da equipe. Em depoimento, Marcelly relatou que Francimar a obrigou a manter-se em silêncio, ameaçando lhe fazer algo caso gritasse ou abrisse a porta.

Marcelly contou que foi mantida em cárcere privado pelo companheiro por seis dias. Segundo ela, nesse período Francimar chegou a levá-la para Paraty, na Costa Verde do Rio, contra a sua vontade. A funkeira contou que no período em que esteve sob o domínio do companheiro não foi agredida fisicamente, mas sofreu diversas agressões psicológicas. Segundo a cantora, o acusado dizia que caso ela tentasse alguma coisa, ele sabia o endereço de seus familiares. Ela também relatou ter sido impedida de ficar com o próprio celular.

A funkeira narrou ainda outro episódio no qual sofreu agressões físicas. De acordo com o relato dado à polícia, no dia 18 de abril, Francimar agrediu a ex-companheira com socos, pontapés, chutes e empurrões. Após o episódio, ela disse ao acusado que não queria mais se relacionar com ele. O homem, tentou, então, impedí-la de sair do apartamento que dividiam, mas a funkeira conseguiu fugir.

Marcelly relata que no dia 27 de abril voltou para casa, pois Francimar afirmou que iria aceitar a separação amigavelmente. No entanto, não foi isso que ocorreu e ele passou a impedir que ela deixasse o apartamento. Os PMs que estiveram no imóvel onde vivia o casal, após arrombarem a porta, relataram que encontraram Marcelly deitada na cama junto com Francimar.

De acordo com os policiais, a mulher estava muito nervosa, trêmula, e com sinais externos de agressão. Francimar estava ao lado dela, no interior do quarto, sem sinais de agressão.

Levado para a 24ª DP (Piedade), Francimar foi autuado em flagrante pelo crime de cárcere privado qualificado, cuja pena é de dois a cinco anos de prisão. Em depoimento, ele negou que tenha mantido a ex-companheira em cárcere. A polícia abriu investigação para apurar também as denúncias de ameaça e agressão sofridas pela Mc. Francimar passará por audiência de custódia na tarde desta segunda-feira.

Investigada pela polícia

Em 2019, a Polícia Civil do Rio abriu uma investigação contra Mc Marcelly por apologia ao crime. A funkeira foi intimada a prestar depoimento após se apresentar em um show no Jardim Catarina, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio.

Na ocasião, circulava um vídeo que mostrava a funkeira cantando no baile enquanto uma pessoa levantava um fuzil.  Uma semana após ter sido intimada a prestar depoimento, Mc Marcelly publicou uma foto segurando uma arma em seu perfil no Instagram. “Agora sim o fuzil está comigo”, diz a legenda.

Em novembro de 2019, após depoimento da funkeira, a Polícia Civil encaminhou o caso para o Juizado Especial Criminal, por entender que ela havia cometido o delito de apologia ao crime. Após requerimento do Ministério Público estadual, o caso foi arquivado.

 

(*) Com informações O Globo

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

[email-subscribers-form id="1"]