MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

Novo acordo de pesca define regras para complexo hídrico em Tabatinga

Entre os beneficiados pela resolução estão ribeirinhos das comunidades de Bom Futuro, Araçari, Teresina III e Teresina IV
• Publicado em 21 de agosto de 2021 – 17:41
Novo acordo de pesca define regras para complexo hídrico em Tabatinga
Foto: Sema

AMAZONAS, AM – O Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema), viabilizou o acordo de pesca para o Lago do Caiau, em Tabatinga (distante 1.108 quilômetros de Manaus). A Instrução Normativa n° 02/2021, publicada no Diário Oficial Eletrônico do Estado (DOE), no dia 11 de agosto, estabelece regras para o manejo dos ambientes aquáticos do local.

As tratativas foram realizadas pelas equipes técnicas da Sema em parceria com Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e Secretaria de Pesca e Aquicultura (Sepa), da Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror). Entre os beneficiados pela resolução estão ribeirinhos das comunidades de Bom Futuro, Araçari, Teresina III e Teresina IV. 

“A instrução vem para atender à necessidade de conservar os recursos pesqueiros daquela região e responder às reivindicações que recebemos da sociedade civil, sobre a necessidade do ordenamento pesqueiro”, disse o secretário de Estado do Meio Ambiente, Eduardo Taveira. 

O acordo divide os ambientes aquáticos em três áreas: de comercialização (Lago do Caiau); de subsistência (Ressaca do Porto, Ressaca do Jacaré, Ressaca do Gildo, Ressaca Larga, Lago Laranjeira e Cano); e de preservação (Lago Laguinho).

Pesca comercial – A pesca comercial segue permitida apenas no período de abril a outubro, conforme legislação vigente. Nos ambientes aquáticos destinados à pesca comercial e de subsistência está liberada a utilização dos seguintes equipamentos: caniço, currico, linha de mão, arpão e zagaia.

O uso de espinhel de pesca deverá ser limitado até três unidades por pescador ou canoa. Cada espinhel poderá ter no máximo até seis anzóis. A tarrafa também está liberada, sendo vetado apenas o método do efeito formiga. Outros métodos como redes de arrasto, timbó, tapagem, batição e substâncias tóxicas estão proibidos. 

O acordo também torna proibida a captura de tambaqui para comercialização, pelos próximos três anos na região. Também não será permitida a pesca do pirarucu, exceto, capturas acidentais de “bodecos” (pirarucus menores que 150 cm), sendo permitido o consumo destes pelos pescadores na comunidade e proibido o transporte e a comercialização em outras localidades. 

Fiscalização – A vigilância e monitoramento dos ambientes aquáticos será feita por meio de mutirões ambientais. A fiscalização será realizada mediante parceria com o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) e o Município. 

O acordo de pesca deverá passar por uma avaliação a cada três anos ou quando houver necessidade após sua implantação. 

Também participaram da construção do acordo os representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo (Semmat/PMT), Secretaria Municipal de Produção e Abastecimento (Sepra/PMT), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas – (Idam / UnLoc de Tabatinga), Colônia de Pescadores Z-24 de Tabatinga, Instituto Federal do Amazonas (Ifam), Serviço Brasileiro de Apoio das Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

(*) Com informações da Assessoria

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap