Manaus, 16 de julho de 2024
×
Manaus, 16 de julho de 2024

Brasil

Relator vota pelo aumento da pena de Lula para 12 anos

Relator vota pelo aumento da pena de Lula para 12 anos

O desembargador João Pedro Gebran Neto, relator do julgamento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), votou pelo aumento da pena de 9,6 anos para 12,1 anos em regime fechado por corrupção e lavagem de dinheiro.

O desembargador manteve a condenação do petista pelo crime de corrupção passiva no esquema Petrobrás, e negou pedido de absolvição da defesa.

“Considero um ato de corrupção”, afirmou Gebran Neto, ao final da leitura de seu voto, em que manteve a sentença de condenação do juiz federal Sérgio Moro, da Lava Jato de Curitiba, contra Lula. “Há provas acima de dúvida razoável.”

Depois de Gebran Neto, ainda votam os desembargadores Leandro Paulsen e Victor Laus.

Triplex

A força-tarefa da Lava Jato sustenta que o triplex seria o pagamento que a OAS faria a Lula por um suposto favorecimento dado pelo ex-presidente à empreiteira em contratos com a Petrobras.

A Lava Jato afirma que o total de propinas pago a Lula e a seu partido, o PT, chega a R$ 3,7 milhões. Um dos principais elementos da denúncia é o depoimento de Léo Pinheiro, por meio de delação premiada, que confirma o pagamento de propina.

A defesa do ex-presidente afirma que ele não cometeu crime e que a falecida mulher de Lula, Dona Marisa Letícia, detinha uma cota da falida Bancop.

Sérgio Moro foi mais brando que desembargadores

Em primeira instância,  a pena de Lula foi estabelecida em 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro. Nesse processo, Lula foi acusado pelo Ministério Público Federal  e condenado em 12 de julho de 2017.

* Mais informações em instantes