Manaus, 19 de junho de 2024
×
Manaus, 19 de junho de 2024

Cidades

A sós com a madrasta, menina é espancada e arrastada pelo cabelo no bairro Compensa

A mulher seria a madrasta da criança, que aproveitou a ausência do marido, para agredir a filha dele.

A sós com a madrasta, menina é espancada e arrastada pelo cabelo no bairro Compensa

(Reprodução)

Manaus (AM) – Nesta terça-feira (4), dia em que o Portal AM1 publicou uma reportagem advertindo que o maior número de violência praticada contra crianças e adolescentes sucede na própria casa ou onde as crianças precisam ficar para que os pais possam sair para trabalhar, um vídeo viralizou em Manaus, mostrando uma mulher espancando uma menina, que aparenta ter 11 anos.

A pessoa que fez a postagem disse que a mulher seria a madrasta da criança, que aproveitou a ausência do marido para agredir a filha dele. Ainda no vídeo, as informações dão conta que o ato de agressão ocorreu no bairro Compensa, zona Oeste de Manaus.

A mulher aparece coberta apenas por uma toalha. Ela abre a geladeira, pega uma garrafa e bebe água na boca da garrafa mesmo. Ainda com a geladeira aberta, a agressora já começa a intimidar a criança. Em seguida, ela pega uma ripa de madeira e ataca a menina, que está sentada em uma cadeira da mesa da cozinha.

A mulher bate com o pedaço de madeira nas costas e braços da pré-adolescente, que implora para não ser agredida.

“Cala a boca! Vai para o teu quarto. Quem manda aqui sou eu!”, ordena a mulher.

Bruscamente, a mulher pega a criança pelos cabelos e a soca no chão, colocando toda a força do corpo dela sobre a criança. A mulher a arrasta pelos cabelos até outro cômodo. Chorando, a criança implora novamente para não ter os cabelos puxados.

Cenas assim podem ser flagradas diariamente em todas as zonas da cidade de Manaus, principalmente, nas mais periféricas. Crianças indefesas são agredidas e ameaçadas pelos seus cuidadores.

Por medo de ficar novamente na companhia do seu algoz, na maioria das vezes, a criança não conta o ocorrido ao pai ou a mãe. E as cenas se repetem na próxima oportunidade. E quando contam, são chamadas de mentirosas e basta que o genitor se ausente para o agressor cometer novamente as agressões.

A reportagem do AM1 enviou o vídeo à polícia e questionou o que está sendo feito em relação ao caso.

Em nota, a Polícia Civil do Amazonas (PC-AM), por meio da Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca), informou que tomou conhecimento do caso e que as investigações encontram-se em andamento.

Assista:

LEIA MAIS: