Pacientes em fila por procedimentos de hérnia e vesícula poderão ser atendidos - Amazonas1
31 de outubro de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Pacientes em fila por procedimentos de hérnia e vesícula poderão ser atendidos

Depois de reorganizar a fila de espera por procedimentos cirúrgicos, a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) está convocando pacientes

Pacientes em fila por procedimentos de hérnia e vesícula poderão ser atendidos

Depois de reorganizar a fila de espera por procedimentos cirúrgicos, a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) está convocando pacientes que estão esperando para realizar cirurgias de vesícula e hérnia na unidade. Os pacientes, oriundos do Sistema de Regulação (Sisreg), devem entrar em contato com a FHAJ pelo telefone (92) 98272-7802 (WhatsApp), da coordenação do Núcleo Interno de Regulação Hospitalar.

De acordo com o diretor-presidente da Fundação, Ayllon Menezes, as tentativas de contato com os pacientes que estão na fila para realizar os procedimentos não estão sendo bem-sucedidas porque muitos trocaram os números de telefone, já que a espera pelas cirurgias se estendia por anos.

Leia mais: Hospital e Pronto-Socorro Delphina Aziz deve retomar atendimentos gerais neste mês

“Nós conseguimos, com o Decreto governamental, com a Lei de Transparência da Fila, resgatar aquele paciente que aguardava há bastante tempo, que já não tinha esperança de ter o procedimento dele realizado. Nós precisamos, agora, que o paciente venha à Fundação, precisamos comunicar a esse paciente que ele vai ser atendido, que ele vai conseguir realizar a cirurgia que ele até já não acreditava mais. Com a nova organização, com o cuidado do Governo, ele vai ter a necessidade de saúde dele atendida”, enfatizou Ayllon Menezes.

Busca por pacientes

A coordenadora do Núcleo Interno de Regulação Hospitalar da FHAJ, Danielle Monassa, a equipe observou uma queda no número de cirurgias realizadas e identificaram a dificuldade de contato com os pacientes que aguardam procedimentos.

Leia mais: Sem anestesia para parto, bebê morre na barriga da mãe em hospital de Rondônia

“Nós tentamos contato via telefone convencional, via celular, agora o nosso setor dispõe de um tablet que a gente passa tanto WhatsApp quanto SMS, e eles não respondem esse contato. Como é muito comum as pessoas trocarem de número, o ideal é que o usuário atualize os seus dados, tanto através do cartão SUS”, pontuou Danielle.

Ela ressalta que a não realização dos procedimentos de pacientes que já estão na espera faz com que a fila pare de andar e atrasa outras cirurgias.

“Esse paciente deixa de ser operado, ficamos aguardando esse paciente vir aqui e, ao mesmo tempo, eu não faço essa fila andar, porque eu também não posso, por livre e espontânea vontade, mandar cancelar essa autorização, porque o paciente pode aparecer aqui”, observou Danielle.

A coordenadora ressalta, ainda, que a convocação não é para pacientes de livre demanda. “Não é uma procura espontânea. Esse paciente foi atendido por algum médico que detectou a patologia, encaminhou para o serviço de cirurgia geral do nosso ambulatório, foi solicitado a cirurgia, depois dos exames, risco cirúrgico e tudo, nós inserimos no Sistema de Regulação, a regulação aprova aquele procedimento e a gente não consegue que aquele paciente interne para realizar o procedimento, porque não consegue contato com ele”, explicou Danielle Monassa.

 

(*) Com informações da assessoria

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading