Arthur Neto diz que ‘crise’ o impede de pagar a data-base dos servidores

Publicado em 19/09/2017 06:20
Arthur Neto: a crise serviu de desculpa para congelar o salário dos servidores municipais (Semcom)

Coluna Cenário

Ao anunciar o pagamento das progressões salarias dos funcionários da Secretaria Municipal da Educação (Semed) com o recurso residual de 2016 do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), na segunda-feira, 18, o prefeito de Manaus, Arthur Neto (PSDB), atribuiu à crise econômica o não pagamento da data-base dos servidores, termo usado para descrever o período de reajuste salarial dos funcionários, de acordo com as perdas causadas pela inflação do ano.

Na ocasião, o prefeito afirmou  que só irá retomar o debate sobre o assunto (reajuste salarial dos funcionários) em 2018. “Ano que vem, retomaremos a política das datas-bases, que neste ano não foi possível fazer devido ao quadro de crise que nos fez fazer diversas opções duras”, afirmou o prefeito, durante coletiva à imprensa.

Arthur, também, criticou o governo do Estado pelo pagamento do abono com os recursos do Fundeb. “Tenho a opinião de que abono é uma coisa muita atrasada, emergencial. Ou seja, se houver boa fé o abono pode caber numa situação de extrema crise. Mas o abono não deve caber quando há situação de crise. Isso é muito complicado”, afirmou Arthur.

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS