Manaus, 13 de junho de 2024
×
Manaus, 13 de junho de 2024

Economia

Aumento no preço das passagens aéreas afeta o polo turístico de Manaus

Além do alto custo das passagens aéreas, o presidente do Sindhotel, Gerson Almeida, aponta que há "limitação de voos", para Manaus, mais um entrave ao setor hoteleiro e de turismo.

Aumento no preço das passagens aéreas afeta o polo turístico de Manaus

(Foto: Divulgação e Agência Brasil)

Manaus (AM) – Cidades com grande potencial turístico como Manaus e Fortaleza, por exemplo, são afetadas pelo aumento no preço das passagens, o que impacta diretamente no setor de hotelaria. Como resultado, essas capitais experimentaram um resultado negativo na ocupação em 2023.

Os dados são de uma pesquisa recente, realizada pela HotelInvest em parceria com o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil (FOHB). O estudo focou nas capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Belo Horizonte, Salvador, Porto Alegre, Recife, Fortaleza e Manaus.

O estudo apresenta dados detalhados que destacam o progresso em várias cidades importantes do país. Em 2023, houve um aumento significativo no desempenho dos hotéis brasileiros, evidenciado pelo crescimento de 20% na receita por quarto disponível (RevPAR) em comparação ao ano anterior.

Níveis pré-pandêmicos

A recuperação do setor é especialmente notável quando se compara a 2022, um ano em que apenas poucas capitais conseguiram superar os níveis de receita de 2019, o último ano antes da pandemia.

Com exceção de Manaus e Fortaleza, os demais estados analisados até superaram esses níveis pré-pandêmicos.

Manaus, porém, como já relatado em matéria veiculada no Portal AM1, enfrenta ainda o desafio devido ao aumento dos preços das passagens aéreas. Isso impactou negativamente a taxa de ocupação hoteleira em 2023. Esse fator demonstra como o turismo é sensível a variações nos custos de viagem.

Demandas fracas

Conforme o presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Amazonas (Sindhotel), Gerson Almeida, os hotéis de médio e grande porte na capital amazonense, só fecharam o ano com índice positivo, devido às empresas do Polo Industrial de Manaus, que organizam seus eventos nesses locais e também os diversos profissionais liberais, que usam a estrutura dos hotéis para seus eventos profissionais.

Porém, quando se trata de ocupações por turistas, as demandas sempre são fracas, confirma Gerson Almeida ao Portal AM1. Ele destaca, ainda, que “um dos motivos principais para o não atrativo do turismo no Amazonas são os preços das passagens áreas, que são um absurdo”. Almeida também apontou a “limitação de voos” para Manaus como um entrave ao setor hoteleiro e de turismo local.

Segundo o presidente do Sindhotel, há aproximadamente 170 hotéis na cidade, incluindo hotéis de selva.

 

LEIA MAIS: