Butantan recebe matéria-prima para fabricação de mais 14 milhões da Coronavac - Amazonas1
21 de abril de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Butantan recebe matéria-prima para fabricação de mais 14 milhões da Coronavac

A previsão é que até o final de março sejam entregues mais 21 milhões de unidades do imunizante pelo Butantan

Butantan recebe matéria-prima para fabricação de mais 14 milhões da Coronavac
Foto: divulgação

O Instituto Butantan recebeu uma nova remessa da matéria-prima para fabricação da vacina contra o coronavírus Coronavac nesta quinta-feira (4).

Com o lote de 8,2 mil litros do insumo, o instituto deve envasar 14 milhões de doses do imunizante para entrega ao Ministério da Saúde. Segundo o governo do estado, esta é a maior remessa do produto recebida até o momento.

A carga -recepcionada no aeroporto pelo governador João Doria (PSDB), o secretário da Saúde Jean Gorinchteyn e o diretor do Instituto Butantan Dimas Covas- desembarcou por volta das 6h.

Atualmente, as vacinas contra a Covid-19 aplicadas no Brasil são a Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, que tem um acordo com o governo do estado de São Paulo para fabricação no Instituto Butantan, e a Covishield, criada pela farmacêutica AstraZeneca e a pela Universidade de Oxford.

O governo federal tem um acordo para produção da Covishield pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Leia mais: Covid-19: Brasil está entre os três países com mais barreiras de entrada no exterior

Desde fevereiro, o Butantan tem recebido remessas regulares da matéria-prima para a vacina. No instituto, o imunizante é envasado, rotulado, embalado e passa ainda por um controle de qualidade.

O Butatan já repassou ao Ministério da Saúde 14,45 milhões de doses da vacina. A previsão é de que até o final de março sejam entregues mais 21 milhões de unidades do imunizante.

O acordo do instituto com o ministério prevê a entrega de 100 milhões de doses.”O que mais precisamos é de vacinas, não apenas a do Butantan mas de outras também”, afirmou o governador João Doria.

“Nós estamos entrando nas duas mais graves semanas da Covid-19. Estamos à beira do colapso em todo Brasil, só há uma salvação, além dos cuidados do uso de máscara e não aglomerações, são as vacinas”, disse Doria.

(*) Com informações da Folhapress

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

[email-subscribers-form id="1"]