Em protesto contra golpe militar, 11 manifestantes são mortos em Myanmar - Amazonas1
14 de abril de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Em protesto contra golpe militar, 11 manifestantes são mortos em Myanmar

Em confronto com forças de segurança, ao menos 11 manifestantes morreram e cerca de 20 ficaram feridos, segundo a imprensa local

Em protesto contra golpe militar, 11 manifestantes são mortos em Myanmar
Foto: Divulgação

Manifestantes contrários ao golpe militar, em Myanmar, reagiram com armas caseiras e coquetéis molotov a uma repressão das forças de segurança em uma cidade do noroeste, e ao menos 11 manifestantes morreram, informou a mídia local nesta quinta-feira (8).

Inicialmente, seis caminhões com tropas foram enviados para reprimir os manifestantes na cidade de Taze, informaram os veículos de notícia Myanmar Now e Irrawaddy. Quando os manifestantes reagiram com armas caseiras, facas e coquetéis molotov. Em seguida, mais cinco caminhões com soldados foram despachados.

Leia mais: Covid-19: governo anuncia distribuição de mais 4,4 milhões de vacinas

Os combates continuavam na manhã de hoje. Ao menos 11 manifestantes morreram e cerca de 20 ficaram feridos, segundo a mídia. Não há notícia de baixas entre os soldados.

A cifra recente elevaria o número de civis mortos pelas forças de segurança para mais de 600, desde que uma junta militar tomou o poder do governo eleito de Aung San Suu Kyi no dia 1º de fevereiro, de acordo com a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos (AAPP), que na noite de ontem (7) computava 598 mortos.

Taze fica próxima da cidade de Kale, onde ao menos 12 pessoas foram mortas durante um embate semelhante entre tropas e manifestantes na quarta-feira, de acordo com veículos de notícia e testemunhas.

A AAPP disse que 2.847 pessoas estão detidas atualmente. Além disso, mandados de prisão foram emitidos para centenas de pessoas, e nesta semana a junta mirou em dezenas de influenciadores, artistas e músicos.

(*) Com informações da Agência Brasil

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

[email-subscribers-form id="1"]