MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

‘Em temperatura elevadíssima’, CPI prepara relatório final, mas já fala em prorrogação

Expectativa dos senadores era encerrar os trabalhos na próxima sexta-feira, mas parlamentares precisam analisar documentos obtidos nos últimos dias
Da Redação – Portal AM1
• Publicado em 19 de setembro de 2021 – 12:52
CPI é prorrogada para aprofundar apuração: ‘vai terminar em temperatura elevadíssima’
Foto: Reprodução

Brasília/DF – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, prevista para encerrar na próxima terça-feira (24), pode ter os trabalho prorrogados. Isso porque ainda há necessidade de aprofundar as investigações sobre a Precisa Medicamentos, intermediária da vacina Covaxin, e a relação da operadora de saúde Prevent Senior com o Palácio do Planalto. A prorrogação dos trabalhos foi confirmada pelos próprios membros da CPI, em entrevista à VEJA. “Não acaba nesta semana, com certeza”, disse o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI.

Já o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que é relator da CPI e está concluindo o relatório final, afirma que os trabalhos vão terminar em ‘temperatura elevadíssima’. “Temos um acúmulo de tarefas na reta final. A CPI vai terminar em temperatura elevadíssima” afirmou o relator.

Leia mais: Vice-presidente da CPI diz que operação da PF na Precisa Medicamentos foi necessária

Na sexta-feira (17) a Precisa Medicamentos foi alvo de busca e apreensão a pedido da CPI. A operação foi autorizada pelo ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF). A Polícia Federal passou cerca de dez horas na sede da Precisa em São Paulo copiando as informações do servidor e dos emails profissionais da empresa.

A CPI pediu buscas também no Ministério da Saúde, mas a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifestou contra e Toffoli negou. 

O prazo para a comissão encerrar os trabalhos é 4 de novembro, mas Calheiros já prepara o relatório com o material obtido e analisado até aqui. 

“A partir de quinta-feira estarei pronto para apresentar o relatório. Mas, a decisão sobre quando vamos apresentar não é minha, é coletiva, da comissão. Estamos dedicados a avançar na investigação”, disse Calheiros.

Os senadores pretendem fazer uma cerimônia de 40 minutos antes da apresentação do relatório, com representantes de vítimas da Covid de cada Estado do país e um convidado representando o Brasil. 

O relatório vai apontar os erros e as omissões na atuação do presidente Jair Bolsonaro e do Ministério da Saúde durante a pandemia. O documento final vai tratar de temas como a crise de Manaus, o incentivo à cloroquina, a demora na compra de vacinas, o peso da disseminação de notícias falsas sobre o vírus e a atuação do chamado “gabinete paralelo” de aconselhamento sobre saúde.

O documento também vai abordar a relação de empresas como Precisa Medicamentos, Prevent Senior, VTCLog e Davatti com servidores do ministério e as irregularidades que permearam os contratos, além de tratar sobre os serviços dos hospitais federais do Rio na crise sanitária.

(*) Com informações da VEJA

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

 

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap