MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

ICMS ainda é um dos vilões do aumento da gasolina no AM

ICMS tem a mesma alíquota de 25% desde o ano de 1999; especialistas culpam o imposto e a política de preços adotada pela Petrobras
Lucas Rodrigues – Portal AM1
• Publicado em 11 de outubro de 2021 – 08:15
ICMS ainda é um dos vilões do aumento da gasolina no AM
Foto: Gabriela Alves / Portal AM1

MANAUS, AM – Considerado o principal “vilão” do aumento da tarifa dos combustíveis, o Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é demonizado constantemente pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em entrevistas recentes, o presidente afirmou que o imposto é o principal responsável pelo aumento do preço dos combustíveis em todo o país.

O cálculo do imposto, pelo menos para os combustíveis, é feito da seguinte forma: para aplicar o valor que deve ser pago pelo consumidor final, os estados consideram a média do valor do combustível nos últimos 15 dias, chamado de Preço Médio Ponderado Final (PMPF). Desde a última segunda-feira (4), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), está em conversas com partidos da base aliada e até mesmo da oposição para mudar o prazo de 15 dias para dois anos.

Fato é, que o ICMS influencia diretamente na compra e venda de diversos bens de consumo além da gasolina, como o etanol e o gás de cozinha. No Amazonas, atualmente, a alíquota do ICMS para os combustíveis está em 25%. Isto significa que, como o litro da gasolina está na faixa de R$ 6,15 a R$ 6,30 em Manaus, deste valor, é cobrado R$ 1,575 de ICMS. Já no interior do Amazonas, o preço da gasolina é ainda maior em alguns lugares, chegando até à marca de R$ 7,00.

Caso o ICMS da gasolina fosse zerado, em Manaus, o preço médio do combustível custaria R$ 4,725, barato para os atuais padrões econômicos. Já o etanol, que está na faixa de R$ 4,79, se tiver descontado os 25% do ICMS, pode chegar a R$ 3,59.

Leia mais: Após críticas sobre gasolina, Bolsonaro desafia governadores ‘Vamos zerar o ICMS?’

gasolina
Até julho de de 2021, a gasolina custava R$ 5,59. Hoje, está em R$ 6,29. Foto: Arquivo Portal AM1

Mas o que faz aumentar?

Seria muito bom se só o ICMS fosse o grande vilão do custo principal do combustível usado pelos brasileiros. No entanto, o preço da gasolina é composto não apenas pelo ICMS e o preço da Petrobras, que nesse caso, entram também os preços de etanol, PIS/Cofins e a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), além do preço da distribuição e revenda. O preço do etanol entra na contagem porque 27% da gasolina tem etanol.

No entanto, os preços aumentam devido à política de preços aplicada pela Petrobras, com o aval do governo federal. Segundo o coordenador do Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-AM), Marcus Ribeiro, a atual política de preços equipara os preços dos combustíveis com os praticados no mercado internacional, o que tem acontecido desde 2016.

“Explicando melhor: todas as vezes que se altera o preço do dólar ou o do barril de combustível, a Petrobras ajusta a alteração no valor de saída da refinaria. Como o preço do dólar tem variado, é lógico que o preço do combustível vai aumentar”, aponta.

Ribeiro salienta que a atual política distorce o papel da Petrobras como empresa pública estatal. Ele aponta que as refinarias do país, como a Refinaria Isaac Sabbá, de Manaus, têm operado com 50% da capacidade, mesmo tendo a capacidade plena de abastecer ao mercado interno regional, porque a atual política da Petrobras é comprar combustível no mercado internacional.

Refinaria
Refinaria Isaac Sabbá, em Manaus. Foto: Divulgação

“As refinarias estão trabalhando com 50% da capacidade porque a prioridade é agradar ao mercado internacional. A Reman, por exemplo, está nesse nível. Estamos deixando de produzir gasolina, diesel e GLP porque estamos comprando de fora o que podemos produzir no mercado local”, aponta.

É plausível diminuir o imposto?

De acordo com o economista Orígenes Martins Júnior, quando se fala em política de preços, é preciso ser racional, e quando se fala em combustível, precisa-se tomar cuidado. Ele aponta que a política de preços dos combustíveis adotada pela Petrobras não pode ser alterada, uma vez que a gasolina e o petróleo são commodities [bem em estado bruto, de origem mineral, produzido em larga escala mundial e com características homogêneas]. Por serem commodities, dependem do preço do petróleo internacional e da política de câmbio do dólar com o real.

“Temos que analisar os valores internos, dos quais o ICMS faz parte substancial. Quando o presidente Bolsonaro cita que o ICMS precisa ser diminuído, ele tem toda a razão, mas os governadores não tiveram, na maioria dos casos, essa sensibilidade. Em alguns casos, ficam anunciando superávits fiscais e ganhos na parte de tributos quando, na verdade, são superávits conquistados à custa da fome da população”, frisa.

Martins ressalta que a economia não é estática, mas é um fluxo contínuo. Ele salienta que o ICMS é um dos principais vilões do aumento da gasolina, levando ao aumento do custo de transporte e do custo até dos alimentos, causando dificuldades para famílias de baixa renda, levando até mesmo à fome.

“Quando se fala que o ICMS implica diretamente no preço da gasolina e que a alíquota sim, poderia ser diminuída, existe muita lógica. Ainda saliento que como o ICMS é uma alíquota estadual e diz respeito à vontade política do governador, isso poderia ter sido feito há muito tempo. Infelizmente, no nosso caso, essa vontade não existe”, completa.

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap