MENU
Logo Amazonas Um

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

‘Incompetente e corrupto’, dispara Calheiros sobre Bolsonaro

O relator da CPI da Covid ainda afirmou que a queda de popularidade de Bolsonaro foi 'consequência óbvia'
Da Redação – Portal AM1*
• Publicado em 20 de setembro de 2021 – 08:41
Foto: Reprodução

BRASÍLIA, DF – Em entrevista para o jornal O Globo, o relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros, afirmou que a “política de testes com humanos será comprovada”. Calheiros faz referência sobre um suposto teste com o “kit covid” que ocorria na empresa Prevent Senior, suspeita de omitir mortes por conta desses testes.

Em denúncia, médicos afirmaram que a empresa os obrigava a trabalhar sem o uso de máscaras no início da pandemia da covid-19, além de serem obrigados a receitar medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento do novo coronavírus.

Para o senador, o caso é “escabroso” e os idosos foram testados sem o consentimento, assim como os pacientes em Manaus, que morreram devido a falta de oxigênio, na mesma semana em que o Ministério da Saúde fez campanha para o uso dos medicamentos do kit covid na capital amazonense.

Leia mais: ‘Em temperatura elevadíssima’, CPI prepara relatório final, mas já fala em prorogação

“Isso é algo condenável sob qualquer aspecto, muito mais com a participação do presidente da República. A CPI jamais poderia encerrar os seus trabalhos sem aprofundar as investigações sobre a Prevent Senior”, declarou o relator da CPI.

Calheiros ainda disse que a CPI da Covid colaborou com a queda de popularidade do presidente Jair Bolsonaro, mas que não foi a intenção da Comissão. “Nunca foi a nossa prioridade. Foi uma consequência óbvia. Hoje o presidente, e as pesquisas comprovam, é tido como uma pessoa na qual a população não acredita, tido como incompetente e corrupto”, afirmou.

Calheiros deve apresentar o relatório final da CPI, que consta 400 páginas. Ele pretende indiciar Bolsonaro por prevaricação, com a justificativa de que o presidente foi omisso ao não informar aos órgãos as denúncias de corrupção do caso da Covaxin.

(*) Com informações do Uol

Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap