Arthur associa morte de engenheiro à guerra do tráfico; polícia investiga o caso

US - R$ 4,19

×

Arthur associa caso da morte de engenheiro à guerra do tráfico

Flávio foi encontrado morto em um terreno baldio no bairro Tarumã, na zona Oeste de Manaus, na manhã de segunda-feira, 30

Em pronunciamento em suas redes sociais, o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, relatou a suspeita do envolvimento de traficantes de drogas no assassinato do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, de 42 anos.

Flávio foi encontrado morto em um terreno baldio no bairro Tarumã, na zona Oeste de Manaus, na manhã de segunda-feira, 30. No dia anterior, o engenheiro participou, segundo o prefeito, de uma festa na casa do enteado dele, Alejandro Molina, no condomínio Passaredo, no bairro Ponta Negra, zona Oeste.

Arthur explicou que no momento de uma reunião entre amigos, a casa foi invadida por homens encapuzados que “cobravam, do engenheiro, uma dívida do tráfico”.

O prefeito relatou ainda, nas suas redes sociais, que durante a cobrança, o enteado e outros amigos foram feridos e Flávio foi sequestrado pelo bando.

Investigações

As investigações em torno da morte de Flávio estão sendo conduzidas pelo 19º Distrito Integrado de Polícia (19º DIP) e pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS).

De acordo com o delegado Aldeney Goes, titular do 19º DIP, na madrugada de segunda-feira, 30, foi registrada uma denúncia de que um homem não identificado agrediu duas pessoas, uma delas ferida com arma branca, durante uma festa em uma casa de um condomínio na zona Oeste da cidade.

Na ação criminosa, o Boletim de Ocorrência (BO) das vítimas dava conta de que o homem que invadiu a casa sequestrou Flávio Rodrigues.

Após as buscas, os policiais encontraram o corpo do engenheiro e o encaminharam para exames de necropsia no Instituto Médico Legal (IML).

Peritos do Instituto de Criminalística (IC) passaram o dia de ontem e a manhã desta terça-feira, 1, analisando vestígios do crime na casa do condomínio Passaredo.

Cautela

O advogado Helder Silveira – que representa a família do engenheiro Flávio Rodrigues– preferiu não antecipar conclusões sobre o crime.

Ele disse que nem os familiares e nem os amigos próximos podem afirmar que Flávio era usuário de drogas e que tinha dívidas com traficantes. “A família pretende apresentar sua versão dos fatos’, afirmou o advogado.

Na íntegra, o post de Arthur Neto

“05:200 hs. Penso muito na generosidade da nossa gente e pouco nas pessoas de maus instintos. Valorizo a primeira, sempre.

Meu enteado Alejandro, filho de minha esposa Elisabeth, é mais um dos milhões de usuários de drogas que as facções criminosas arrebanham em nossa cidade e em nosso país. Sofrido, luta contra o vício há mais de 10 anos.

O tráfico toma conta de tudo e de muitos. Nada se faz de efetivo contra ele, que corrompe consciências e se implanta com força em Manaus. Criou uma “justiça” própria, estabelecendo a pena de morte num país que não a adota.

A casa de Alejandro foi invadida na noite do último domingo. Dois homens encapuzados, “cobrando” dinheiro a um dos presentes. Um dos meninos se trancou no banheiro e Alejandro recebeu golpe de coronha que lhe abriu a cabeça. Levaram o que queriam: o rapaz Flavio, a quem “cobravam” pagamento pelo trabalho maldito que leva pessoas à perdição. Principalmente os jovens, muitos deles viciados desde 10 ou 12 anos de idade.

Sequestraram e assassinaram Flavio, assim como sequestram e matam, todos os dias, aqueles que se tornam dependentes e não conseguem mais pagar aos seus algozes.

Minha esposa entrou em desespero, quando soube que gente sem caráter tentava fazer crer que seu filho teria matado Flavio. Maldade indescritível. Alejandro saiu ferido pela truculência dos invasores e, quando o vimos, seu estado era lamentável: ferido, abatido, com medo de ser morto por tipos parecidos com os que levaram seu amigo, outra vítima das drogas, que se espalham como praga, muitas vezes perto da gente.

Elisabeth tomou conhecimento dessa infâmia, quando Alejandro já se encaminhava para internamento numa clínica para dependentes. Revoltado com a mãe que, mais uma vez, o socorria e, outra vez mais, chorava pelo medo de perder pessoa tão amada.

Chegaram a fazer transmissões ao vivo, inventando que Alejandro estaria, naquele momento, no Distrito Policial, onde, bem cedo, ele já prestara depoimento. Amargurou minha alma, porque se Elisabeth não fosse minha esposa, não teria havido tanta mentira e tanta tentativa de escândalo. Era a mim que queriam atingir. Talvez por ter organizado as finanças e a previdência de Manaus. Por não se conformarem com tantas obras transformadoras que varrem a cidade inteira. Por não aceitarem o respeito que o Brasil me dedica e que é o meu orgulho.

Fiquei pensando se não estaria prejudicando a arquiteta de renome, de vida cômoda e tranquila, até me conhecer e termos decidido a partilhar a vida.

Falo para mães e pais que, diariamente, perdem seus filhos primeiro para o tráfico e depois para a morte. Mães e pais, indefesos, que não têm voz e nem vez. Mães e pais, cujos filhos viciados, desesperados, mortos, não interessam a quem vive de fabricar manchetes. Mães e pais de cujos filhos Elisabeth procura cuidar como se fossem seus. Mães e pais que convivem com o medo e a incerteza o tempo todo.

Isso mesmo que Alejandro sempre provocou em Elisabeth: sumiços, distância, vida sem sentido, desperdiçando o futuro. É triste para mim vê-la na sala ou no quarto, calada, triste, chorando, por não poder acarinhar seu menino querido.

Botemos um ponto final: Alejandro estava recebendo amigos. Teria cabimento que sumisse por segundos e voltasse de capuz, armado (ele nunca usou nem canivete) e sequestrasse Flavio? Sim, porque o assassino desse pobre rapaz o sequestrou e, para fazer isso, teve de abrir a cabeça de Alejandro com uma coronhada. E porque Alejandro ficou parte da madrugada cercado por nós, que depois o transferimos para outro lugar, com receio de que a solidão atraísse os bandidos de novo.

Sejamos claros: Alejandro é doente. Padece de um vício que não o abandona. Mas jamais foi ou será um assassino. Bem ao contrário, é vítima de gente que mata e sequestra sem remorso, movida por dinheiro imundo.

Manaus está cheia de Alejandros. E de monstros que os exploram impunemente. Sociedade injusta. Pela miséria, fornece soldados para os chefões do tráfico.

Vejo minha esposa, finalmente, conseguir dormir. Isso me acalma o coração. Sei, porém, que o despertar será outro dia de dor pelo filho isolado numa clínica.

Que os assassinos de Flavio sejam logo presos e levados a julgamento.

Manaus merece paz e verdade. Jamais mentiras e terror”. 

Faça um comentário