MENU

Copyright © Portal Amazonas1. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita.

PT pede fim da hostilidade do governo Bolsonaro contra diplomatas venezuelanos

A ação do PT conta com um pedido liminar de suspensão de todo e qualquer ato de hostilidade ao corpo diplomático venezuelano no Brasil
• Publicado em 12 de maio de 2021 – 22:30
Foto: Adailton Damasceno/Brazil Photo Press/Folhapress

SÃO PAULO, SP – O PT apresentou ao Supremo Tribunal Federal uma ação constitucional contra o que a legenda aponta como atos de hostilidade praticados pelo governo Bolsonaro ao corpo diplomático venezuelano no Brasil.

No documento, o partido afirma que a atual gestão do Executivo federal vem colocando o país em rota de colisão com outras nações a partir de um alinhamento automático com os Estados Unidos.

“Um dos exemplos mais evidentes foi o reconhecimento do autointitulado presidente Juan Gauidó, da Venezuela, em que pese Nicolás Maduro tenha saído vencedor das eleições internas daquele país”, aponta a agremiação.

Leia mais: Lula afirma que Regina Duarte mentiu para a Justiça e pede multa de R$ 13 mil

O presidente Jair Bolsonaro reconhece o líder opositor Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, e não Maduro. O governo também considera a advogada María Teresa Belandria, enviada por Guaidó ao Brasil, como a embaixadora legítima do país vizinho.

O PT baseia a argumentação elencando episódios como o ato de declarar diplomatas venezuelanos em Brasília “personae non gratae” em território nacional, ocorrido em setembro do ano passado. Em abril do ano passado, o governo Bolsonaro já tinha ordenado a expulsão de diplomatas venezuelanos.

A ação do PT conta com um pedido liminar de suspensão de todo e qualquer ato de hostilidade ao corpo diplomático venezuelano em território nacional que possa ser praticado pelo governo brasileiro em razão do não reconhecimento da legitimidade do governo de Nicolás Maduro.

A Ministra Carmem Lúcia será a relatora da ADPF, que não tem data para ser julgada.

(*) Com informações da Folhapress

Publicidade

Publicidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Copy link
Powered by Social Snap