Governo culpa o coronavírus pela queda do PIB no 2º trimestre

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

12 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Governo culpa o coronavírus pela queda do PIB no 2º trimestre

O índice caiu 1,5% no primeiro trimestre deste ano quando comparado com os últimos três meses de 2019.

Governo culpa o coronavírus pela queda do PIB no 2º trimestre
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O Ministério da Economia culpou o isolamento social, medida para controle da pandemia de covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, pelo resultado do Produto Interno Bruto (PIB).

O índice caiu 1,5% no primeiro trimestre deste ano quando comparado com os últimos três meses de 2019.

Em valores correntes, o PIB — a soma de todos os bens e serviços produzidos no Brasil — chegou a R$ 1,8 trilhão. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira,29, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A pasta faz um alerta: “O resultado econômico da atividade no segundo trimestre será ainda pior. As consequências são nefastas para a população, com aumento do desemprego, da falência das empresas e da pobreza”, adianta, em nota.

O governo admitiu que o resultado negativo da atividade econômica no primeiro trimestre era esperado.

“Lamentavelmente [o resultado] coloca fim à recuperação econômica em curso desde o começo de 2017. Os impactos iniciais da pandemia na economia a partir de março deste ano reverteram os bons indicadores de emprego, arrecadação e atividade do primeiro bimestre, levando a variação do PIB para o terreno negativo”, frisa.

Segundo o ministério, os efeitos da paralisação das atividades a partir da segunda quinzena de março devido à pandemia de covid-19 já se refletem nesta divulgação.

Cerca de um sexto do trimestre foi afetado — última quinzena do mês de março.

“Passada a pandemia, o país terá que enfrentar quatro grandes desafios: o desemprego, o aumento da pobreza, o grande número de falências e a necessidade de um mercado de crédito mais eficiente. Dessa forma, se faz premente a continuidade das reformas estruturais findo esse período”, destaca o texto.

A equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acredita que a retomada da agenda de consolidação fiscal é uma condição necessária para a “rápida” recuperação. Em especial, a manutenção do teto de gastos, que para eles, “constitui um pilar fundamental neste processo”.

“A crise também coloca em evidência a necessidade de implementar um conjunto amplo de reformas pró-mercado. Entre elas, destacamos: aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico e do setor de gás natural, abertura comercial, reforma tributária e agenda de concessões e privatizações”, salienta.

“Para combater e amenizar o sofrimento dos brasileiros é necessário que as reformas estruturais continuem através de uma legislação mais moderna de emprego, com o fortalecimento das políticas sociais [com transferência de recursos de programas sociais ineficientes para os mais eficientes e de comprovado efeito no combate à pobreza], com o aprimoramento da legislação de falências e a modernização e desburocratização do mercado de crédito, de capitais e de garantias.

(*) Com informações do Metrópoles

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias