Hospital de Campanha da Prefeitura já curou dez indígenas

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

12 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Hospital de Campanha da Prefeitura já curou dez indígenas da covid-19

Mais de 350 pacientes já receberam alta e foram liberados do hospital de campanha. A unidade hospitalar conta, atualmente, com 163 leitos ativos

Hospital de Campanha da Prefeitura já curou dez indígenas da covid-19
Foto: Ingrid Anne / HCM

Pelo segundo dia consecutivo, o hospital de campanha municipal Gilberto Novaes, no Lago Azul, Zona Norte, concedeu altas a pacientes indígenas.

Nesta terça-feira, 26, cinco índios de diferentes etnias, moradores do Parque das Tribos, no bairro Tarumã, Zona Oeste, retornaram para suas residências após receberem tratamento contra a covid-19 na unidade administrada pela Prefeitura de Manaus, em parceria com grupo Samel e o instituto Transire.

No total, dez pacientes indígenas já receberam alta médica do hospital de campanha, além de dois indígenas que estavam em tratamento no hospital Samel

Para garantir a segurança no retorno à comunidade, os cincos indígenas recuperados foram transportados por ambulância até  suas casas.

“Nossos indígenas carregam uma herança cultural milenar, por isso esse tipo de notícia me deixa muito feliz. Nosso hospital está recebendo índios, que estão sendo cuidados, bem tratados e recebendo altas com saúde. Livres do vírus, eles estão voltando para suas famílias felizes porque viram a vida e não a morte”, destacou o prefeito Arthur Virgílio Neto.

Ocupando leitos exclusivos no hospital de campanha, os primeiros pacientes deram entrada na unidade na última sexta-feira, 22.

Até agora, 18 pacientes foram atendidos no hospital, entre eles, uma senhora de 92 anos, da etnia Baniwa, que ainda recebe tratamento.

A kokama Alda Maria Marinho Vasconcelos, de 55 anos, foi uma das indígenas a deixar o hospital nesta terça-feira, após quatro dias de tratamento.

“Cheguei ao hospital com muita febre, dor de cabeça, agora saio me sentindo bem”, comentou.

O advogado Isael Franklin Gonçalves, 42, da etnia Munduruku destacou a atenção dada pela prefeitura aos indígenas, principalmente os que residem na comunidade Parque das Tribos.

“Cheguei muito ruim, com a respiração complicada. Agradeço primeiro a Deus e a toda equipe de saúde. É por causa de pessoas como as que me receberam aqui que estou podendo voltar para minha esposa, para minha filha. Só tenho agradecer”, comentou.

O coordenador do hospital de campanha, Ricardo Nicolau, destacou que há uma enfermaria destinada ao atendimento de indígenas vítimas da covid-19, garantindo, inclusive, que todos permaneçam juntos e que possam preservar seus costumes.

“Os índios do Parque das Tribos, infelizmente, perderem seu cacique, vítima da covid-19, e ao irmos até o local observamos muitos indígenas apresentando os sintomas da doença. Os primeiros vieram para o hospital e retornam para suas famílias curados e contaram como é o atendimento aqui. Isso tem facilitado a vinda de novos pacientes”, explicou.

Altas Médicas

Além das altas dos indígenas, mais seis pacientes receberam alta do hospital de campanha na tarde desta terça-feira, 26.

Mais de 350 pacientes já receberam alta e foram liberados do hospital de campanha. A unidade hospitalar conta, atualmente, com 163 leitos ativos dos quais 39 fazem parte da  UTI.

Morando em Manacapuru, distante 84 quilômetros de Manaus, Zulena Balbe, 60 anos, contou que foi atendida no município de Iranduba, a 40 quilômetros da capital, e transferida para o hospital de campanha de Manaus.

Emocionada, hoje, ela foi recebida por sua família que aguardava a sua saída do hospital.

“Eu fiquei oito dias. Cheguei muito mal, me sentindo cansada. Eu sou um milagre de Deus, revivi aqui. De Manacapuru, meu filho me levou para ser atendida no Iranduba e de lá eu vim transferida para cá. Agora estou voltando para ficar com eles, não querem me deixar sozinha”.

(*) Com informações da Assessoria

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias