Menezes defende Bolsonaro sobre decreto do IPI e diz que presidente é vítima de ‘terrorismo político’

"É compromisso do presidente Bolsonaro. Se ele ainda não o fez, é porque ainda não pôde. E os 'abutres da política' sabem disso", contou Menezes com exclusividade ao AM1
CONCEIÇÃO MELQUIADES – PORTAL AM1
Publicado em 09/04/2022 04:59
Foto: Reprodução

Manaus (AM) – O coronel Alfredo Menezes (PL), que também é pré-candidato ao Senado Federal pelo Amazonas e amigo íntimo de Bolsonaro disse, com exclusividade ao AM1, que o presidente vai editar o texto do novo decreto do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e garantir que o modelo Zona Franca seja mantido, bem como sua competitividade.

“É compromisso do presidente Bolsonaro. Se ele ainda não o fez, é porque ainda não pôde. E os ‘abutres da política’ sabem disso. É pra proteger o que já tem que ele ainda não assinou. Há uma ação na Justiça do PROS movida contra o decreto, e eles todos sabem disso. O Bolsonaro assinou da forma que estava com o prazo de 1 mês, para que o decreto que já existe não perdesse a validade”, confidenciou Menezes.

Leia mais: ‘Não aceitaremos nada que não contemple a ZFM’, diz Wilson sobre decreto do IPI

Segundo Menezes, os políticos que se utilizam dessa desculpa do IPI só querem “desgastar a imagem do presidente Bolsonaro e fazem terrorismo político”. Ele disse ainda, que até o ex-deputado Francisco Praciano, que é “petista”, mas é “prudente e sensato” reconheceu em vídeo postado em uma rede social, que é preciso, claro, manter o Polo Industrial de Manaus e suas condições de forma atrativa, porém, é hora de buscar novas matrizes econômicas para o Estado.

“Fazem terrorismo político com o próposito de manchar a imagem do Bolsonaro que está comprometido, sim, com as causas da região Norte. Mas cadê que em 40 anos fizeram alguma coisa? Só sabem fazer terrorismo esse bando que tá aí, pensam que ainda podem enganar a população”, disparou.

Segundo o coronel Menezes, a forma em que é “colocada a coisa, parece até que amanhã Manaus vai amanhecer com 500 mil trabalhadores desempregados e todas as fábricas do PIM fechadas.”

Leia mais: Bolsonaro assina decreto do IPI, sem mudanças prometidas ao Amazonas

“Eu publiquei nessa quinta-feira um vídeo do ex-deputado federal, Francisco Praciano, petista histórico, onde ele afirma que os terroristas políticos do Amazonas afirmam que será o fim da Zona Franca de Manaus com a edição do decreto que reduz a alíquota do IPI. Eu convidei os internautas a ouví-lo, independente das questões partidárias, e tirar suas próprias conclusões, pois se eu falar as pessoas vão afirmar que estou defendendo o governo federal, pois bem, Praciano informou o que faltou para nosso Estado: iniciativa, ação e comando dos governantes que passaram pelo Estado nos últimos 40 anos, que sempre “lutam” pelo poder. Precisamos de politicos comprometidos com as pessoas do Amazonas e não esses que visam apenas seus interesses particulares”, frisou.

Vídeo:

O ex-deputado Francisco Praciano disse em um vídeo que o decreto precisa ser combatido sim, mas que é preciso combater, também, a falta de compromisso dos governadores que há 60 anos estão aí, “e nunca fizeram nada, e se utilizam da vulnerabilidade da Zona Franca para palanques eleitoreiros”.

“Amazonino, cadê o teu terceiro ciclo? Braga, cadê a tua Zona Franca Verde. Nunca se quer criaram uma fábrica para ticar peixe, ticar sardinha. E o açai? Parece que só tem no Pará. Cadê a piscicultura, cadê o turismo, cadê?”, interroga o petista.

Compartilhar:
Acompanhe em tempo real por meio das nossas redes sociais: Facebook, Instagram e Twitter.

+ NOTÍCIAS