Crise já provocou emigração de quatro milhões de venezuelanos, diz ONU
25 de janeiro de 2021
Site auditado pelo
Manaus
24oC  29oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Crise já provocou emigração de quatro milhões de venezuelanos, diz ONU

No final de 2015, ano seguinte ao de início da recessão venezuelana, os refugiados e migrantes da Venezuela somavam cerca de 695 mil

Crise já provocou emigração de quatro milhões de venezuelanos, diz ONU

O número de venezuelanos que já deixaram seu país natal, em grave crise econômica e humanitária, chegou a quatro milhões, segundo relatório divulgado nesta sexta-feira (7) pela Acnur (agência de refugiados da ONU) e pela OIM (Organização Internacional para as Migrações).

No final de 2015, ano seguinte ao de início da recessão venezuelana, os refugiados e migrantes da Venezuela somavam cerca de 695 mil, número que segue crescendo conforme a economia do país se retrai. Apenas entre o último mês de novembro e junho de 2019, a quantidade de saídas aumentou em um milhão.

(Divulgação)

O levantamento recém-divulgado, que reúne dados de autoridades nacionais de imigração e de outras fontes, coloca o Brasil como o quinto país que mais recebeu venezuelanos, com 168 mil pessoas. Já a vizinha Colômbia é o destino mais comum, com a chegada de 1,3 milhão. Em seguida, aparecem Peru (768 mil), Chile (288 mil) e Equador (263 mil) entre os países que mais recebem os imigrantes.

Veja também

OMS alerta para epidemia de DSTs na era dos aplicativos de encontros

México reforça fronteira para evitar tarifas americanas

Maduro anuncia acordo com Cruz Vermelha para entrada de ajuda no país

A emigração em massa de venezuelanos é um dos mais importantes deslocamentos de pessoas na história recente da América Latina. Além de escassez de alimentos e de medicamentos, o país tem convivido com o acirramento de tensões políticas, com a disputa de poder entre o ditador Nicolás Maduro e o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó. Nas ruas, protestos violentos agravam o cenário já crítico.

 

(*) Com informações da Folhapress

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias

Loading