Greve contra governo de Duque é prevista para esta quinta na Colômbia

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

15 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Greve contra governo de Duque é prevista para esta quinta na Colômbia

Os manifestantes insistem que o governo, que enfrenta uma crise de popularidade, mantenha salários mínimos para os jovens e o direito universal à aposentadoria

Greve contra governo de Duque é prevista para esta quinta na Colômbia
(Foto: Daniel Muñoz/AFP)

Sindicatos, grupos de estudantes, indígenas e ambientalistas colombianos planejam uma greve nesta quinta, 21, com marchas na capital e em outras cidades para rechaçar medidas como uma reforma trabalhista e outra previdenciária que estão sendo propostas pelo governo do presidente, Iván Duque.

Os manifestantes insistem que o governo, que enfrenta uma crise de popularidade, mantenha salários mínimos para os jovens e o direito universal à aposentadoria. Há também críticas à política de segurança focada na luta contra o narcotráfico e à tentativa de Duque de modificar o pacto de paz que levou ao desarmamento da antiga guerrilha das Farc em 2016. Em Bogotá, os manifestantes devem se reunir em sete pontos da cidade para marcharem até a praça Bolívar, sede do Congresso e a uma quadra do palácio presidencial.

O presidente negou repetidamente que planeje propor leis de reforma previdenciária e tributária que contenham as mudanças alegadas pelos manifestantes. Ele disse que rejeitou imediatamente a ideia de reduzir os salários dos jovens quando um think tank o propôs. “Nenhuma reforma foi proposta”, disse Duque durante uma rara transmissão ao vivo pelo Facebook nesta semana, acrescentando que ele não quer aumentar a idade da aposentadoria. “Foi dito que queremos pagar aos jovens menos que o salário mínimo. Isso também é mentira.”

Outros grupos de manifestantes devem participar para protestar contra o que eles dizem ser falta de ação do governo para impedir o assassinato de centenas de ativistas de direitos humanos, corrupção nas universidades e outras questões. Os partidários da marcha, que incluem sindicatos importantes, alegam que o governo de Duque também quer tornar privado o fundo de pensão estatal Colpensiones e diferenciar salários por região.

Em um momento de tumulto generalizado em outros países da América Latina, a polícia invadiu nesta semana uma revista de cultura antes do protesto, ao passo em que o presidente da Colômbia, Ivan Duque, advertia que seu governo não toleraria violência. Na noite de terça, 19, a polícia entrou na redação da revista Cartel Urbano e revirou obras de arte. Funcionários da publicação postaram vídeos nas redes sociais mostrando a ação.

Em função dos protestos, o governo fechou fronteiras terrestres e fluviais em 12 postos de controle migratório nas fronteiras com Brasil, Equador, Peru e Venezuela, afirmou a jornalistas o diretor da Migración Colombia, Christian Krüger. “Esta é uma medida que pretende evitar que estrangeiros ingressem no território nacional com a intenção de alterar a ordem pública e a segurança”, acrescentou Krüger. 

(*) Com informações da Folhapress

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias