‘Eles são inimigos do povo’, diz Arthur sobre empresários do transporte coletivo | Notícias | Amazonas1

US - R$ 4,19

×

‘Eles são inimigos do povo’, diz Arthur sobre empresários do transporte coletivo

Prefeito decretou intervenção financeira do sistema de transporte público por 90 dias e, afirma, que vai fazer uma devassa nas contas das concessionárias

Intervenção financeira inicia nesta segunda-feira, 22, e vai durar 90 dias, segundo anunciou o prefeito Arthur Neto (Foto: Thaise Rocha)

O sistema de transporte coletivo de Manaus ficará sob intervenção financeira por 90 dias, conforme anunciou o prefeito Arthur Neto (PSDB), durante coletiva de imprensa nesta segunda-feira, 22.

A intervenção financeira, explicou o prefeito, é para saber a origem de cada centavo real do sistema. Uma auditoria interna foi realizada antes da medida ser tomada, porém as empresas prestaram informações suspeitas.

“O presidente do Sinetran, Algacir Gurgacz, foi avisado da medida. Ela não é a mais dura que eu posso adotar, não é a mais incisiva. Vai haver uma devassa nas finança das empresas.  (…) Eles são inimigos do povo”, declarou Arthur.

Caso a prefeitura entenda que há irregularidades, os contratos de concessão firmados em 2011 podem ser decaídos e eliminados do mapa jurídico do Executivo municipal.

O interventor será o empresário Francisco Bezerra que terá 90 dias para apurar as despesas e receitas do sistema. O prazo começa a contar a partir de hoje (22), data do decreto municipal.

Passageiros criticam sistema

Para a atendente Aleilce Rodrigues, usuária de ônibus há quase 10 anos, a solução para o sistema seria a trocar as empresas que administram o transporte coletivo.

“O sistema é horrível, acho que só essa intervenção não resolve. Tinha que comprar ônibus novo e mudar as empresas. Eu comecei a pegar ônibus para trabalhar e durante todo esse tempo, nada mudou”, disse, afirmando que só manteria duas empresas no sistema Eucatur e Via Verde.

Para o conferente Mateus Cooper, uma solução seria trocar todas essas empresas. Ele espera duas horas por dia para pegar o ônibus, tanto para ir ao trabalho e voltar para casa.

“O sistema é péssimo, devia ter mais linha, trocar esses ônibus, não sei. É horrível em modo geral. Sobre essa intervenção, tem que resolver, se ele tá pagando tem que aparecer esse dinheiro”, disse.

Faça um comentário