Manaus, 21 de fevereiro de 2024
×
Manaus, 21 de fevereiro de 2024

Cidades

Novo coordenador da Univaja toma posse nesta quinta: ‘continuamos ameaçados’

Bushe Matis foi eleito por uma assembleia e tem como principal objetivo manter a segurança das tribos do Vale do Javari

Novo coordenador da Univaja toma posse nesta quinta: ‘continuamos ameaçados’

Bushe toma posse nesta quinta-feira (6) e já está com o plano de gestão alinhado. Foto: José Medeiros /Agência Pública

Manaus (AM) – “Queremos que o mundo continue vendo que no Vale do Javari existe problema, existe falta de segurança e de políticas públicas nas áreas indígenas. Queremos contar com as mídias para que o mundo não desassista o Vale do Javari”. Essa é uma das prioridades de trabalho do novo coordenador da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Bushe Matis, eleito na 7ª Assembleia da organização, realizada nos dias 18 a 20 de março, na aldeia Paraná, alto rio Ituí, uma aldeia Marubo, Terra Indígena Vale do Javari.

Bushe toma posse nesta quinta-feira (6) e já está com o plano de gestão alinhado. Segurança, visibilidade, políticas públicas, proteção aos povos isolados e autonomia são as frentes de ação que o Matis elegeu como prioridades.

“Continuamos sendo ameaçados, solicitamos a presença da Força Nacional e equipes de segurança, Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis], Procuradorias federal e estadual, para atuarem junto com as lideranças indígenas. Queremos contar com as mídias para que o mundo não desassista o Vale do Javari. Saúde, educação, desenvolvimento, sustentabilidade e proteção territorial, toda a questão do manejo, etnomapeamento… Os povos do Javari que são contatados precisam de mais atendimento, diferente dos povos isolados que precisam de proteção e monitoramento, para barrar e coibir os invasores”, enumera o novo coordenador da Univaja.

Organização

A expectativa é grande e está refletida nos rostos das lideranças presentes, como Alfredo Marubo, que logo no início da assembleia animou os participantes dizendo que a Univaja é o espaço dos povos da região. “Nós somos parte da Univaja, lutamos por nossos direitos e por nossas vidas, nossa organização luta por isso”, disse com orgulho.

Após um período muito duro vivido com a pandemia, que impediu os encontros presenciais, a Univaja realiza sua assembleia com muita festa, alegria e debates importantes. Participaram 87 representantes dos povos Kanamari, Matis, Mayuruna/Matsés, Kulina Pano, Marubo e, pela primeira vez, a assembleia contou com a presença de três representações do povo Korubo, indígenas de recente contato.

Além dos delegados indígenas participaram os parceiros Centro de Trabalho Indigenista (CTI), Conselho Indigenista Missionários (Cimi) e os órgão do governo como a Fundação dos Povos Indígenas (Funai), Fundação Amazônia Sustentável (FAS), Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SEDECTI), atuando no Núcleo Estadual de Fronteiras (NIFFAM). Ao total estiveram presentes 120 participantes. Todos com a determinação de contribuir com a proteção dos povos do Vale do Javari.

A Univaja é composta pelas nove organizações de base dos povos indígenas que vivem no território: Mayoruna/Matsés, Kanamary, Marubo, Korubo, Matis, Kulina e Tsohom Diapá. Também vivem ali povos isolados.

(*) Com informações da assessoria

LEIA MAIS: