Manaus, 20 de maio de 2024
×
Manaus, 20 de maio de 2024

Cenário

Pesquisa Ipen: Marcelo Ramos se mantém no topo da rejeição com 7 pré-candidatos a prefeito

Essa é a segunda pesquisa consecutiva em que Marcelo ocupa o ranking de rejeição, sendo que, nesta última, ele aparece com 21,3%.

Pesquisa Ipen: Marcelo Ramos se mantém no topo da rejeição com 7 pré-candidatos a prefeito

(Foto: Reprodução/Redes sociais - @marceloramos.am)

Manaus (AM) – O pré-candidato a prefeito de Manaus pelo Partido dos Trabalhadores, Marcelo Ramos, é o mais rejeitado pelos manauaras, revelou a nova pesquisa eleitoral desta quarta-feira (15), realizada pelo Instituto de Pesquisa do Norte Ltda (Ipen).

Assim como no estudo realizado Direto ao Ponto Pesquisas, na semana passada (8 de maio), Marcelo ocupa o ranking de rejeição com 21,3%. O segundo colocado é o prefeito David Almeida (Avante) com 14,5%.

(Foto: Divulgação/INPE)

A pesquisa registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pelo número AM-06369/2024, entrevistou 1000 eleitores em Manaus, em abordagem presencial, em ponto fluxo (não necessariamente locais de grande circulação de pessoas, como terminais de ônibus, mas pontos localizados nos bairros).

Foi realizada entre os dias 7 a 13 de maio com margem de erro de 3,09%, e confiabilidade de 95%.

O Portal AM1 procurou o pré-candidato e o questionou sobre os novos dados divulgados nesta quarta-feira (15), mas até a publicação da matéria, não houve retorno.

Vale lembrar, também, que Marcelo Ramos, nos últimos dias, vem criticando os seus adversários tanto nas redes sociais quanto em entrevistas e chegou a afirmar que os demais possuem “muito tempo para processar um ao outro” e esquecem de propor melhorias para a cidade de Manaus.

Outro ponto que pode ter ocasionado essa “rejeição” a Marcelo é que o ex-vice-presidente da Câmara dos Deputados não se conteve e disparou críticas tanto ao prefeito David Almeida (Avante) quanto ao governador do Amazonas, Wilson Lima (UB).

As críticas do ex-deputado são referentes a obras e programas de governo municipais e estaduais, que segundo ele, são provenientes do governo federal e os chefes de Executivo não dão os devidos créditos a Lula (PT).

 

LEIA MAIS: