Irmãs acusadas de fraude em venda de imóveis desviaram R$ 5 milhões

US - R$ 4,17

×

Irmãs acusadas de fraude em venda de imóveis desviaram R$ 5 milhões

As irmãs foram apresentadas na manhã desta sexta-feira durante coletiva de imprensa no prédio da Derfd

(Divulgação/PC)

O delegado Demetrius Queiroz, adjunto da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), falou, na manhã desta sexta-feira, 23, durante coletiva de imprensa realizada às 9h, no prédio da especializada, sobre os cumprimentos de mandados de prisão preventiva por estelionato em nome das irmãs Gleice Cristina Queiroz Reis, 34; Mônica Regina Queiroz Reis, 36; e Sheila Patrícia Queiroz Reis, 40.

As irmãs estão envolvidas em vendas de imóveis na planta, de um residencial fictício, no bairro Tarumã, zona oeste da capital. As fraudes giraram em torno de R$ 5 milhões. De acordo com a autoridade policial, as irmãs compraram um terreno no valor de R$ 10 milhões, mas só pagaram a quantia de R$ 500 mil e o restante do valor pagaram em cheques sem fundo.

Conforme Queiroz, posteriormente elas passaram a vender casas na planta, de um residencial fictício denominado “Lótus Tarumã”, pelo valor de R$ 400 mil cada. O residencial fictício seria na avenida do Cetur, bairro Tarumã, zona oeste da capital.

“As infratoras, por meios fraudulentos, conseguiram transferir a propriedade do terreno para elas e, a partir disso, começaram a vender as casas na planta. A entrega do suposto residencial estava prevista para o final do ano de 2018, porém não havia nenhuma obra, além delas não terem licença para construção. Como pagamento pelos imóveis, elas estavam aceitando carros, casas e outros bens. Até o momento compareceram sete vítimas na Derfd, que registraram o Boletim de Ocorrência (BO), nós estimamos que elas venderam cerca de 15 casas e tenham movimentado aproximadamente R$ 5 milhões”, explicou Queiroz.

Prisões

O adjunto da especializada informou que Gleice e Sheila foram presas por policiais civis da Derfd, na manhã de quinta-feira, 22, por volta das 7h30, em um condomínio, situado no conjunto Parque das Laranjeiras, bairro Flores, zona centro-sul de Manaus. Já a prisão de Mônica foi efetuada no mesmo horário, em um residencial situado no bairro Alvorada, zona centro-oeste da cidade.

A ordem judicial em nome das infratoras foram expedidas no dia 20 deste mês, pelo juiz Henrique Veiga Lima, da 9ª Vara Criminal.

A vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas (OAB-AM), Grace Benayon, esteve presente na coletiva e falou em nome dos verdadeiros proprietários do terreno. Na ocasião, Grace Benayon parabenizou o trabalho realizado pelos policiais da Derfd que atuaram no caso.

“Realmente essas irmãs são pessoas da mais alta periculosidade, pois conseguiram convencer meus clientes a saírem do lugar, para morarem de aluguel. Eles realmente perderam tudo e estão nessa situação. Parabéns ao empenho dos delegados da Derfd, pelo trabalho efetivo e preciso no caso”, ressaltou Benayon.

Procedimentos

Gleice, Mônica e Sheila foram indiciadas por estelionato. Ao término dos procedimentos cabíveis no prédio da Derfd, as infratoras serão encaminhadas para o Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), onde irão permanecer à disposição da Justiça.
(*) Com informações da assessoria

Faça um comentário