Júnior Leite quer usar pandemia para esticar mandatos de prefeitos

Denúncias, sugestão de matérias e outros assuntos

10 de julho de 2020
Site auditado pelo
Manaus
23oC  33oC
Buscar

Redes Sociais

[email protected]

Júnior Leite quer usar pandemia para esticar mandatos de prefeitos

Associação Amazonense de Municípios alega que a campanha no interior durante a pandemia é de alto risco

Júnior Leite quer usar pandemia para esticar mandatos de prefeitos

O presidente da Associação Amazonense de Municípios (AAM) e prefeito de Maués, Júnior Leite, de olho numa cadeira na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), encabeça a tropa de 61 prefeitos do interior que estão usando como desculpa a pandemia de covid-19 para tentar esticar seus mandatos por mais dois anos.

Em carta ao Congresso Nacional, deputados e senadores do Estado e à sociedade, Júnior Leite pediu a não realização das eleições deste ano e a unificação dos mandatos dos prefeitos e vereadores, com os demais cargos eletivos estaduais e federais e a realização de eleições gerais em 2022.

“Como deslocar tantas pessoas com segurança diante dos altíssimos níveis de contaminação? O próprio exercício do voto é um risco neste cenário. Mesmo mantido o distanciamento, o uso obrigatório da máscara e a distribuição de álcool, as sessões eleitorais, leitores biométricos e urnas eletrônicas são possíveis meios de disseminação do vírus”, afirmou.

Leite afirma que o principal motivo para a solicitação de mudança do pleito  é a pandemia de covid-19, “que poderá comprometer e interferir em diversos setores da disputa além de oferecer riscos à saúde da população, principalmente no interior do Amazonas”.

“Neste momento grave, em que 53% das pessoas contaminadas no Amazonas estão no interior do Estado, precisamos nos manifestar sobre o tema o quanto antes. Fora da capital, as campanhas são feitas principalmente no corpo a corpo, sem as mídias tradicionais, com pouco acesso à internet e redes sociais, fatores que oferecem mais um foco para a disseminação do coronavírus”, disse Leite.

A unificação das eleições é uma das bandeiras históricas defendidas pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), à qual a Associação Amazonense de Municípios é filiada.

Paralelamente à iniciativa dos municípios brasileiros, tramita no Senado Federal, Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do senador Wellington Fagundes (PL-MT), para tornar coincidentes os mandatos eletivos, criando uma eleição geral em 2022.

*Com informações de assessoria

Amazonas1 TV

Publicado por Amazonas1

COMENTÁRIOS

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do portal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio ou poste spam.

Cadastre-se em nosso newsletter

E fique sempre informado com as últimas notícias