Manaus, 19 de junho de 2024
×
Manaus, 19 de junho de 2024

Brasil

Professor de universidade do Amapá é suspeito de fazer apologia ao nazismo

Ex-aluna afirma que já presenciou atitudes racistas e machistas do docente.

Professor de universidade do Amapá é suspeito de fazer apologia ao nazismo

Professor foi fotografado usando garrafa com desivo com símbolo nazista durante aula (Foto: Reprodução/ Redes Sociais)

Manaus (AM) – Um professor do curso de Enfermagem da Universidade Federal do Amapá (Unifap), cujo nome não foi divulgado, é suspeito de apologia ao nazismo, de acordo com denúncias feitas por estudantes da instituição.

Em fotos divulgadas nas redes sociais, uma garrafa de água utilizada pelo professor aparece com a ilustração da águia germânica segurando uma suástica.

O registro foi publicado no perfil do Twitter da União Nacional dos Estudantes (UNE). “É preciso que a universidade apure com urgência. A utilização de símbolos nazistas não é liberdade de expressão, nazismo é crime”, diz o comentário da foto.

A diretora de Mulheres da UNE, Janaina Corrêa, afirma que já presenciou atitudes e discursos “preconceituosos”, com “teor machista e homofóbico” do professor, quando cursava Enfermagem na Unifap, entre 2017 e 2018.

“Fui falar com alguns colegas que estudaram comigo quando fazia Enfermagem e concluíram o curso. Uma das estudantes me relatou que outro caso de apologia ao nazismo da parte dele foi denunciado para a coordenação do curso”, declarou.

Repúdio

Em nota, a universidade informou que já está adotando medidas para punir o docente.

“A Universidade, como espaço formativo, tem a responsabilidade de construção de uma formação cidadã baseada na promoção e defesa de direitos”, diz trecho da nota. A Unifap também manifestou, na nota divulgada em seu site oficial, “total repúdio a discursos de apologia ao nazismo que, além de crime, configuram um atentado reconhecido contra a dignidade e os direitos da pessoa humana”.

No Brasil, a apologia ao nazismo é crime previsto na Lei do Racismo (7.716/1989), que prevê reclusão de 1 a 3 anos e multa.

(*) Com informações do UOL

LEIA MAIS: